Crónicas de uma Leitora: Opinião Mangá | Secret Unrequited Love | Kotomi Aoki

quinta-feira, 31 de março de 2016

Opinião Mangá | Secret Unrequited Love | Kotomi Aoki

s-l1600Secret Unrequited Love de Kotomi Aoki ganhou o 53º prémio de Shokakukan Manga na categoria de Soujo e eu finalmente pude ler tudo direitinho e seguidinho!!
A história de Takume e Mayu começou quando eles eram ainda novos, com apenas 8 anos de idade. Takuma já está mais que habituado a estar hospitalizado devido ao seu problema cardíaco, no entanto estando sempre nos hospital faz com que possa estar sempre com Mayu que é filha do seu médico e que está com ele constantemente.
O estado de saúde de Takume não é dos melhores, o seu coração é fraco, e por isso mesmo não pode fazer grandes esforços nem se cansar. Por isso ter aulas de educação física na escola está fora de questão. No entanto a melhor parte do dia é quando Mayu vem ter com ele para brincarem juntos, pois assim estar no hospital não é assim tão mau desde que ela esteja presente.
Porque o pai de Mayu é médico no hospital, ela pode mais ou menos andar por todo o
lado, e é exactamente o que ela faz, até mesmo pregar partidas ás enfermeiras. Até ao dia que por coincidência ia a passar no gabinete do pai e ouve uma conversa dele com uma
enfermeira, este diz que infelizmente Takume ia ter uma vida de sofrimento e que só iria viver até aos 20 anos. Claro que Mayu entra em choque, já que não conseguiria viver sem Takume, mal ela sabendo o porquê.
Mas ela não desiste e pensa sempre que haverá uma forma de o salvar, Takume tem de viver até ficar velhinho com ela, dê por onde der. Por isso Mayu vai para o jardim procurar um trevo de quatro folhas para poder pedir um desejo, o de salvar Takume, para que este se torne astronauta, porque é um dos desejos dele como carreira de futuro. Mas depois de horas não encontra e desata a chorar. Takume vai ter com ela e no meio de tanta coisa promete-lhe que quando chegar a adultos se ela casa com ele. *cuteeee*
A história salta então para quando eles tem 12 anos, Takume está a ser acompanhado e está a frequentar a escola. Mayu por um lado e como não lhe disse nunca o que ouviu quando era pequena, está sempre com mil cuidados com ele para que ele não fique pior e possa viver muitos mais anos.
No entanto Takume é teimoso e quer é viver a vida ao limite, quer correr, quer andar de um lado para o outro e basicamente viver sem preocupações, coisas que afligem Mayu, que não lhe diz nem por nada, e ela também gosta de ver Takume feliz.
Ah! e eles agora namoram, e Mayu leva isso muito a sério, visto que só tem mesmo olhos para ele e para a sua saude.
Regra geral eles são muito fofinhos os dois juntos e adoro a forma como se tratam um com o outro e como agem com os outros. Por exemplo Takume não pode estar com Mayu nas aulas de educação física, então nas aulas de natação é o pior, principalmente quando se metem com ela. Takume é até um pouco ciumento porque pensa sempre que a qualquer altura Mayu pode quebrar a promessa que fizeram caso se apaixone por outro rapaz da escola.
Algo que nunca iria passar pela cabeça de Mayu.
A parte mais interessante, a meu ver, é quando vão para o secundário em que Takume decide por razões que não conto para não estragar o drama, afastar-se de Mayu! E muda completamente de visual!! *hihihi*
Mas….
Mayu vai atrás dele e no meio de tanta coisa e novidade a história transforma-se num triângulo amoroso, com a introdução de uma nova personagem masculina, ou será um quadrado amoroso *isso existe? O.o * é que depois entra também uma rapariga que Takume também conhecia do hospital e que Mayu nunca tinha ouvido falar *nem eu* e que também tem o mesmo problema que Takume e de certa forma o compreende melhor que Mayu.

Este foi o primeiro mangá que li da Kotomi Aoki, embora eu já tenha o KanoUso de baixo de olho *hihi* enfim…
Gostei de toda a história e deste final assim mais diferente *no spoiler no*
Quanto a arte de Aoki, não achei nada de especial, apesar de ser bonita, e não ter defeitos a nível de caracterização de personagens e suas idades. No entanto é muito parecida aos outros desta época. Fez-me lembrar o Dengeki Daisy, mas só a nivél de desenho de personagens. Mas não deixa de ser um bom mangá com uma boa arte.
Em 2009 o mangá foi adaptado e ganhou um live-action, em filme, intitulado de I Give My First Love to You que tinha tudo para ser excelente, mas lá decidiram mudar a história e meh, não foi mau, mas também não foi grande coisa, principalmente com o que fizeram no final. Enfim….






Um post original:

Sem comentários:

Enviar um comentário