Crónicas de uma Leitora: Sozinhos na Ilha de Tracey Garvin Graves [Opinião]

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Sozinhos na Ilha de Tracey Garvin Graves [Opinião]


Sinopse:
Uma ilha deserta plena de sol, vegetação luxuriante e mar cristalino é um cenário de sonho. Ou talvez não... Anna Emerson decide quebrar a sua rotina e deixar Chicago para dar aulas numa ilha tropical. Por seu lado, T. J. Callahan só quer voltar a ter uma vida normal após a sua luta contra o cancro. Mas os pais empurram-no para umas num destino exótico. Anna e T. J. estão a sobrevoar as ilhas das Maldivas a bordo de um pequeno avião quando o impensável acontece: o aparelho despenha-se no mar infestado de tubarões. Conseguem chegar a uma ilha deserta. Sãos e salvos, festejam e aguardam, convictos de que serão encontrados em breve. Ao início, preocupam-se apenas com a sobrevivência imediata e imaginam como será contar tamanha aventura aos amigos. Nunca a citadina Anna se imaginou a caçar para comer. T. J. dá por si a lutar com um tubarão e a ser acolhido por simpáticos golfinhos. Os dois jovens descobrem-se timidamente e exploram a ilha. Mas à medida que os dias se transformam em semanas, e depois em meses, as hipóteses de serem salvos são cada vez menores. Ambos têm sonhos por cumprir e vidas por retomar, e é cada vez mais difícil evitar a grande questão: conseguirão um dia sair daquela ilha?

Opinião por Vera Carregueira:

 Aventura, romance, acção e drama são os ingredientes deste livro espectacular. Anna é uma professora de 30 anos que descontente com a sua vida amorosa decide aceitar um emprego de verão numa ilha paradisíaca situada nas Maldivas. Pensa que os meses lá passados lhe darão a mudança que precisa.
T.J. é um adolescente prestes a fazer 17 anos, a recuperar de um tumor que o consumiu demasiado tempo e é forçado pelos pais a umas férias de sonho com a família e a professora que o irá preparar para a entrada no ano lectivo. Tendo ficado para trás para ir a uma festa com os amigos acaba por viajar com Anna.
O que os dois não esperavam era que o hidroavião em que seguiam se despenhasse no meio do oceano.
Salvando-se por pouco é no tempo que permanecem na ilha que vêem as suas personalidades se modificarem e amadurecerem.
Sozinhos na ilha retrata a luta de um casal pela sobrevivência e mais tarde contra o preconceito. O romance surge de forma gradual mas instala-se com  uma força surpreendente. Anna tenta a todo o custo lutar contra os seus sentimentos devido à diferença de idades que a separa de T.J..
Confesso que saber que iria haver romance me fazia confusão por T.J. ser menor aquando da queda do avião mas afinal eles ficam presos na ilha muito mais tempo do que julguei por isso acabei por torcer para eles ficarem juntos desde muito cedo.
Anna e T.J. são personagens surpreendentemente bem construídas com personalidades fortes e cativantes. A autora consegue agarrar-nos à história com uma força sobrenatural. A forma como os parágrafos se alternam entre os protagonistas levando-nos a perceber o seu ponto de vista à maneira como foram resgatados da ilha mostra a espectacularidade deste livro. Com uma escrita bastante acessível e envolvente vemo-nos a ler avidamente cada capítulo para sabermos só mais um pouco e quando termina ficamos com um sentimento de "quero mais".
É sem dúvida o livro para este verão, sentimo-nos realmente transportados para a ilha, sentimos o sol a beijar-nos a pele, a água a refrescar-nos o corpo e os golfinhos a confraternizarem do mesmo modo que imaginamos o sabor da escassa comida que arranjam, os problemas que atear uma fogueira pode trazer e tudo o mais que estas personagem vivem.
Tracey Garvin Graves é uma autora a seguir pois a sua narrativa consegue-nos prender e apaixonar arrebatadoramente.

Sem comentários:

Enviar um comentário