Crónicas de uma Leitora: Review filmes de Fevereiro | The Hateful Eight | Deapool | Zootopia

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Review filmes de Fevereiro | The Hateful Eight | Deapool | Zootopia

Fevereiro foi um bom mês para ir ao cinema, sem Janeiro fui ver dois filmes nomeados para os Óscares (Revenant e The big short) em Fevereiro difícil foi não ir ao cinema ver todos os filmes. 

Aliás se quiserem até já posso fazer umas quickies sobre os dois filmes que vi em Janeiro:
The Revenant - muito bonito, muito bem filmado - uma seca autêntica - a cena do urso foi a cena que mais me fez rir até ao filme do Deadpool - o Leonardo DiCaprio vai ganhar o Óscar mas o Tom Hardy salta-lhe em cima e gama-lhe o troféu. Ruiva, não tens gosto nenhum! Deixem lá...

The big short - excelente para quem percebe de economia ou gosta de ver a Margot Robbie numa banheira cheia de espuma. Um filme muito bom para entendermos a crise económica do imobiliário nos EUA. Give Steve Carell an Oscar!

The hateful eight - Os 8 odiados



The hateful eight é o 8º filme do Exmo. Caro Tarantino. What can I say, the guy is a genius! Ao contrário do dr. Tim Burton que cada vez parece fazer piores filmes, o Tarantino continua a ter reviews sólidas dos seus trabalhos.

Continuando a temática dos escravos, The hateful eight é composto por oito personagens todas elas com personalidades estranhas. A verdade é que não se sai do cinema com um sentimento que adoramos aquelas personagens, afinal eles são odiáveis. Mas não tanto que nos sentimos desconfortáveis, simplesmente é um bocado difícil preocupar-mo-nos com pessoas detestáveis. E essa á a minha maior crítica. O resto está impecável, script pequeno e bonito, fotografia linda, os cenários simples mas eficientes. Não há nada no filme que seja mau, mas se tivermos que apontar o maior defeito é mesmo as personagens serem horríveis. Existem momentos sérios, momentos humorísticos e alguns até bastante emotivos com algumas personagens, mas no geral as mortes não são algo que nos toque em especial.
Tarantino celebra sem pudor o gore, o gráfico e o impressionável. Não é um filme para fracos ou pessoas que se impressionem com facilidade, mas é um filme muito apelativo a nível de script e de cenários. A forma como o Tarantino trabalha o enredo é do melhor que ele fez até agora. Enquanto Django era bastante linear, The hateful eight deixa o espectador a suspeitar de algo e eu gosto disso. Gosto quando existe algo que nos leva a duvidar e a tecer todas as hipóteses dentro da nossa cabeça. Enquanto Django Unchained era mais sobre as personagens, aqui é mais sobre o que irá acontecer e se as personagens são aquilo que dizem ser. 
O fim é completamente Tarantino levado ao extremo, gostaram do final do Django? Vão adorar este!



Deadpool



Oh boy isto podia ser tão fácil de estragar, não que já não tenham tentado fazer isso antes, mas a personagem do Deadpool não é muito kidfriendly e isto é, claramente um eufemismo. He’s sassy, over the top e tão ridiculamente giro e hot que acho que os fãs iam expressar a sua raiva se o filme não fosse de encontro às expectativas.
E que expectativas são essas? Tomei a liberdade de fazer uma lista:



Como é óbvio o filme teve muito mais do que isto, embora nem todas as piadas tenham tido de facto piada (culpa dos trailers), mas ainda assim existem imensas cenas novas de acção e humor, uma das quais me deixou a torcer na cadeira e a verter lágrimas de tanto rir. Os créditos iniciais são a melhor coisinha que já vi no cinema desde os créditos finais do 22 Jump Street (yup dat good).

Nota-se que o Ryan nasceu para este papel e to be honest eu sei que o filme tem vilões kinda eh, mas let’s face it, nós vamos ver o filme para ver o Deadpool a ser motherfucking badass, ele mata os vilões, unlike other superheroes. Por isso não há assim um vilão tããão espetacular que podiam ter colocado porque as pessoas queriam ver o Deadpool. E para além disso as side characters são spot-on por isso, alguém ia ter de sofrer. É um filme de “super-herois” mais completo que existe (tão mais melhor do que o Avengers 2, urgh), e estava com muitooo receio que o Rotten lhe fosse dar menos que o Ant-man, mas para já está com 84% e certified fresh o que é bom (no IMD estava ontem com 8.9).

Podem levar as vossas namoradas porque qualquer pessoa com um bom sentido do humor vai adorar isto e se elas não gostarem just dump her, porque já temos o Deadpool e ele é a unica coisa que precisamos na nossa vida (e podem sempre convencê-las e dizerem que Eu sou o Wayne para a tua Vanessa, awwww).

Fun-fact: Inside out e o Deadpool são os únicos filmes onde dei 10/10 no IMDB.

E agora fiquem com a música na cabeça:


Zootopia/ Zoopólis


Zootopia foi uma surpresa enorme. Quando vi os trailers não me pareceu nada de especial, as sloths tinham piada (ainda que sejam extremamente assustadoras), mas parecia uma história bastante simples tipo Disney-podes-ser-tudo-aquilo-que-queres. Mas não é assim tão simples. Primeiro vamos falar da animação: que só pode ser descrita com uma palavra - GENIAL! O nariz da Hopp, as orelhas dela que mudava sempre consoante o que sentia ou se estava a pensar em algo. Se tinha medo. Meu deus, o trabalho de animação com a Hopp foi excelente e com os outros animais também. As expressões faciais e animação de corpo do Clawhauser são do mais engraçado e eficiente que há na animação humorística.
Outra coisa é que Zootopia não precisa da animação muito rápida para fazer as suas piadas, elas estão todas no script ou nas animações faciais das personagens. Existe apenas movimento suficiente para haver uma série de cenas de acção, mas o humor em si não se debruça muito sobre o movimento. O que é interessante, ter um filme que tanto apela a adultos como crianças (e sim estavam crianças na audiência e portaram-se lindamente), os adultos conseguiam ver os innuendos e muitos estereótipos que as crianças mais inocentes não conseguiam, enquanto as animações fofas e história simples dava para as crianças se sentirem atentas ao que estava a acontecer.
O mais engraçado é que a moral do filme é bastante actual, não estereotipar, não achar que aqueles que são os maus da fita são de facto os vilões, nem todas as pessoas são aquilo que aparentam. O filme tem bastante mensagens bonitas para educarmos as nossas crianças e até mesmo para adultos devido às ondas de racismo e xenofobia. A própria Zootopia supostamente representa uma utopia onde todos os animais vivem em harmonia, parecendo ser algo impossível.
É um excelente filme que vale muito a pena ir ver, tem uma cena numa loja de gelados completamente hilariante em que o meu cérebro deixou de funcionar devido a tanta fofura. Se tiverem pequeninos vejam a VP, mas se os vossos filhos já sabem ler, a versão original está algo de outro mundo.

Fun fact: O filme esteve muito tempo em desenvolvimento e a raposa, Nick Wilde, era para ser a personagem principal e Hopps a sua side-kick Contudo, o filme só começou a andar verdadeiramente quando os criadores mudaram a Hopps para principal e o Nick para side-kick.

Sem comentários:

Enviar um comentário