Crónicas de uma Leitora: Morto por Pecar de Stephen Booth - opinião

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Morto por Pecar de Stephen Booth - opinião



Autor: Stephen Booth
Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 368
Coleção: Crime Perfeito
Editor: Europa-América



Sinopse:
Após uma descoberta macabra na quinta de Pity Wood em Peak District, a Polícia é chamada ao local. Durante os trabalhos de conservação da quinta, um dos operários desenterrou uma mão conservada em argila. Na sequência de várias escavações e investigações policiais, dois cadáveres são descobertos e apenas se sabe que não foram enterrados em simultâneo. Com poucos dados forenses, os agentes Ben Cooper e Diane Fry terão de descobrir o misterioso passado da quinta e deparam-se com um longo historial de exploração de trabalhadores pobres. Onde estará a verdade nesta horrível história? No passado sombrio da quinta ou nas íngremes ravinas de Peak District, à espera de ser revelada?

Opinião:
Confesso que ao pegar neste livro ia com as expectativas bastante elevadas só que ninguém me avisou e eu não fiz uma pesquisa decente antes de iniciar a leitura por isso não fazia ideia que seria o oitavo de uma série pelo que fiquei sem perceber se terei perdido algo por ter começado pelo livro "errado".

O desenvolvimento é bastante mais lento do que estava à espera, sem cenas de violência gratuita e uma grande informação de procedimentos policiais, é de facto bastante interessante conseguirmos perceber a meticulosidade do seu trabalho. Houve uma cena em especial onde a patologista faz descrição detalhada dos dois corpos que para uns pode ser fascinante (principalmente para quem gosta de series como o CSI) mas para outros pode ser informação a mais. Nota-se que há uma pesquisa extensa sobre estes procedimentos o que valoriza bastante a obra. A interação entre Ben e Diane também é feita a conta gotas, nota-se uma certa tensão entre eles mas não consegui perceber se o mesmo advém de alguma situação anterior ou se eles são assim desde sempre. Fiquei com a nítida ideia que perdi algo da história deles o que só pode ser colmatado com a leitura dos livros anteriores.

É interessante como vamos conhecendo a zona rural de Peak District, pormenores de agricultura que são-nos dados por Ben ou pelo seu irmão, as pessoas que caracterizam a zona, como o dono do pub Dog Inn e outros habitantes locais e como eles vão contribuindo para a trama. Também a superstição está patente e a crença popular torna o livro ainda mais envolvente e peculiar.


A história apesar de bastante boa não conseguiu prender-me com a mesma intensidade de outros policiais mas julgo que isso se deve em muito ao facto de os últimos lidos me terem marcado profundamente pela sua componente psicológica, bem como violência física extrema. Tem todos os ingredientes para os amantes do género e julgo que os seguidores desta série não se irão desiludir. Booth sabe sem dúvida o que faz e nós leitores vemos bem que o seu trabalho é exaustivo principalmente a nível de pesquisa.

Fiquei satisfeita e penso ler mais deste autor mas terei de ver a ordem correcta dos seus livros para não voltar a ser apanhada desprevenida.

2 comentários:

  1. Aconteceu me o mesmo da ultima vez que li um policial. Acho que temos que estar mesmo com o espírito para coisa se não todos aqueles pormenores que nos cativam quando estamos inspirados vão parecer maçadores e sem relevância.

    ResponderEliminar
  2. Tenho visto muitos post sobre o autor e até fiquei curiosa, mas pelo que dizes não parece que seja o meu género :P

    ResponderEliminar