Crónicas de uma Leitora: Eu dou-te o Sol | Jandy Nelson | Opinião

domingo, 9 de agosto de 2015

Eu dou-te o Sol | Jandy Nelson | Opinião

 Jude e o seu irmão gémeo Noah são inseparáveis. Aos 13 anos, Noah é um jovem tímido e solitário que adora desenhar. Jude, pelo contrário, é extrovertida, tagarela e sociável. Três anos mais tarde, tudo se altera. Jude e Noah mal falam um com o outro. Um trágico acontecimento afetou os gémeos de forma dramática… 
Até que Jude conhece Guillermo Garcia na Escola das Artes, um escultor ousado e bem-parecido que vai ter um papel determinante na vida dos irmãos. O que os gémeos não sabem é que cada um deles conhece somente metade da história das suas vidas e, se conseguirem reaproximar-se, terão a oportunidade de reconstruir o seu mundo.

Para mais informações ou para adquirir "Eu dou-te o Sol", clique AQUI
Já há uns tempos que queria ler I'll Give You the Sun ou então The Sky is Everywhere por isso quando vi que a Editorial Presença is publicar este livro fiquei exultante, a capa apesar de não ser igual à original não lhe fica atrás, é igualmente fabulosa. Assim que me chegou a casa (por sorte tinha terminado um livro na véspera) peguei logo nele, só que tenho andado tão cansada que não estava a conseguir ler o que me estava a deixar extremamente frustrada por isso aproveitei a maratona de agosto do Sinfonia dos Livros e "atirei-me" a ele.

Foi uma leitura absolutamente maravilhosa, tão emocionante (sim sou uma chorona e não me canso de repetir) que não consegui conter as lágrimas já perto do final. A história é narrada pelos gémeos Noah e Jude em tempos diferentes, capítulos alternados entre um Noah de 13/14 anos e uma Jude de 16 que nos mostram como duas pessoas tão unidas podem criar um abismo entre elas. 

A parte narrada por Noah é brilhante, cheia de cor, de luz, de uma imaginação (quase) hiperactiva, um artista em construção com uma mente deslumbrante, vemos um jovem apaixonado pela arte e pelo mundo, é difícil arranjar palavras para descrever o quanto amo esta personagem, a narrativa pelo seu POV é simplesmente genial. Jude é igualmente  absurda e fascinante, completamente agarrada a um velho livro de família a quem a sua amada avó chamava de bíblia segue religiosamente os seus ensinamentos chegando a acrescentar os seus conselhos. Obcecada por doenças e achando-se constantemente inferior decide procurar Guillermo Garcia um escultor para ser seu mentor e com um coração igualmente despedaçado. Ambos criam laços fortes e irão ajudar-se mutuamente a ultrapassar aquilo que os perturba.

A escrita de Jandy Nelson é soberba, tão genuína e emotiva que me partiu o coração em pedacinhos minúsculos e com um lirismo magnífico conseguindo dar vozes diferentes aos gémeos, dando-lhes espaço para crescer até ao céu. A forma como uma família feliz e unida se despedaça de uma forma cruel e irrevogável é tão realista que poderíamos encontrar na casa ao lado. 

Adorava escrever uma daquelas opiniões grandiosas, tão brutais como o próprio livro mas é impossível conseguir transmitir o deslumbramento e o fascínio que senti perante a genialidade da autora. Fui forçada a dar apenas 5 estrelas no Goodreads o que é tão pouco comparado com o que este livro merece. Quero mais Jandy Nelson!




Este exemplar foi gentilmente cedido pela Editorial Presença em troca de uma opinião honesta.

1 comentário:

  1. Olá, tido bem?
    Eu sinceramente gostei até mais da nossa capa do que da original. Tenho lido tão boas críticas que embora não fosse um livro que pretendesse ler, agora é impossível não ter curiosidade.
    Descobri através do teu blog isto do BLOGS PORTUGAL. Vou agora ver como funciona e de que se trata.
    Beijinhos
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderEliminar