Crónicas de uma Leitora: "Ínclita Geração" de Isabel Stilwell (Opinião)

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

"Ínclita Geração" de Isabel Stilwell (Opinião)

Sinopse
Era feita de luzes e de sombras. O pintor flamengo Van Ecky havia entendido a sua essência como ninguém e pintado as linhas do seu rosto e o seu caráter, em dois quadros distintos, para mostrar ao noivo Filipe III, duque da Borgonha. Um feito de luzes, outro feito de sombras. Isabel, tal como a sua mãe, D. Filipa de Lencastre, casava tarde. E a ideia de deixar Portugal, o pai envelhecido, os cinco irmãos em constante desacordo, e Lopo, irmão de leite e melhor amigo, para partir para um país longínquo e gelado atormentava-lhe o coração. Era a terceira mulher de Filipe, já duas vezes viúvo, esperava vir a dar-lhe o herdeiro legítimo de que Borgonha tanto precisava. A sua fama de mulherengo atravessava fronteiras… Mas Isabel sabia que nascera para cumprir um destino, ser a Estrela do Norte, que firme no céu indica o caminho. Saberia mudá-lo, torná-lo num homem diferente, acreditava Isabel. Na manga levava um trunfo que apenas partilhava com o seu irmão Henrique e com o seu fiel Lopo, na esperança de se tornar senão amada, pelo menos indispensável. Mas ao longo da sua vida, as sombras foram ganhando terreno e os acontecimentos precipitaram-se numa espiral que Isabel não conseguia travar, e de que apenas o seu filho a podia salvar.   Isabel Stilwell, a autora de romances históricos mais lida em Portugal, regressa à escrita com a surpreendente história de Isabel de Borgonha, a única mulher da chamada Ínclita Geração. A geração perfeita, filhos de Avis, cantada por Camões, que marcou, cada um à sua maneira, a História de Portugal. Um romance empolgante que acompanha a vida desta mulher do século XV, que assumiu com inteligência e determinação o seu papel no governo de Borgonha urdindo alianças com França e Inglaterra, que procurou salvar Joana d' Arc da morte, abriu os braços aos sobrinhos fugidos de Portugal, num período de tumultos e divisões. Foi aliada das descobertas do infante D. Henrique, assistindo impotente à morte do seu querido irmão D. Fernando às mãos dos infiéis… Uma mulher que nunca esqueceu que era filha de Filipa de Lencastre e princesa de Portugal.

Esta autora foi uma estreia para mim. Alias, descobri este ano que adoro relatos históricos. Eu que, quando estudava, a disciplina de história era daquelas que passava com um mísero 12 e bem suado.
Mas no inicio deste ano li um romance histórico, depois outro e agora quero ler cada vez mais.
Quando me foi dada a oportunidade e de ler este, claro que nem sequer hesitei. No entanto se estão à espera de um romance cor de rosa, desiludam-se porque não o é. 
O livro da-nos a conhecer a vida da Isabel de Lencastre, filha do rei D. João I, princesa de Portugal, depois duquesa da Borgonha pelo casamento.
Um relato apaixonante, intenso, mas com uma dureza e realidade impressionante. Um relato que nos consegue prender da primeira à ultima pagina, mesmo quando os desenvolvimentos envolvem mortes, perdas, o que acontece muito. A história de vida de uma mulher de coragem que abandonou o seu país, mas mesmo ao longe nunca deixou de estar ligada a ele e a fazer tudo para o dar a conhecer ao mundo e levar o cristianismo o mais longe possível.
Um livro que me surpreendeu muito pela positiva pela forma como está descrito. Uma linguagem acessível, mesmo quando o diálogos são num "português antigo".
Uma leitura que, porque mesmo depois de acabado ainda damos por nós a reviver um pouco da vida de uma Senhora que se tornou ao longo das paginas como uma conhecida intima. Uma personagem com quem choramos, rimos, sofremos e nos enfurecemos. Uma princesa que podemos "ver" através das páginas com ilustrações com que a autora nos presenteia.

3 comentários:

  1. Estive mesmo tentada em comprar este livro através da Fnac uma vez que oferecia outro da autora... agora fiquei com mais pena!

    ResponderEliminar
  2. Também já me arrependi de não o comprar, apesar de ter o de oferta!

    Adorei a opinião!
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  3. Eu vou lê-lo, brevemente! Adoro romances históricos!!!

    ResponderEliminar