Crónicas de uma Leitora: "As mulheres de Summerset Abbey" de T.J. Brown - opinião

sexta-feira, 26 de julho de 2013

"As mulheres de Summerset Abbey" de T.J. Brown - opinião




Sinopse
Centrado na vida de três jovens que procuram encontrar o rumo para o seu futuro, As Mulheres de Summerset Abbey é um romance histórica que retrata com rigor e pormenor os hábitos de uma classe e estilo de vida. Trata-se de uma história apaixonante ambientada numa das épocas mais fascinantes da história europeia.

Sir Philip Buxton criou três jovens num lar que desafiava a tradição. A filha mais velha, Rowena, aprendeu a dar valor às pessoas, não à sua riqueza ou posição social. Mas tudo aquilo em que acreditava vai ser testado na sequência da morte do pai, quando ela, a irmã e a sua amiga Prudence são forçadas a mudar-se para a propriedade do tio, Summerset Abbey.

Fisicamente frágil, mas com uma mente viva e ágil, Victoria sonha em frequentar a universidade e tornar-se botânica, à semelhança do pai. Mas este não é o único sigilo de Victoria, que acaba por descobrir um segredo de família que, se for revelado, tem o potencial de mudar várias vidas para sempre… 

Prudence cresceu feliz ao lado de Rowena e Victoria, e o laço que as une é tão forte como se fossem irmãs. Mas ela é a filha da governanta e para o lorde de Summerset isso faz com que seja apenas mais uma entre os criados da propriedade. Prudence fica dividida entre dois mundos: o dos privilegiados e o dos criados, sem saber verdadeiramente qual o seu lugar no mundo.
Opinião de Carla Geraldes
Uma história fascinante, que nos transporta a uma época em que as mulheres estavam a começar a emancipar-se, o que não era bem visto pela sociedade de então. Uma altura em que o abismo entre classes ainda era abismal e em que os casamentos eram combinados para proveitos de ambas as famílias.
É nesta sociedade que encontramos Rowena, Victoria, duas irmãs e Prudence que foi criada com elas como se fizesse parte da família. No entanto quando o pai de ambas morre elas são obrigadas a mudarem-se para casa do tio, que não acolhe Prudence como elas gostariam. Quando elas dão por isso, Prudence está a servir de criada pessoal das irmãs e a ser maltratada pela criadagem mais antiga.
Sendo Rowena a mais velha, Victoria agarra-se à irmã na esperança que ela consiga convencer o tio que Prudence é uma irmã e não uma criada. Mas Rowena tem mais medo do conde e da tia do que esperava e a coragem falta-lhe.
Victoria, desde pequena com problemas de asma, não se conforma com a posição dá irmã e vai acabar por descobrir a verdadeira razão porque os tios não quiseram Prudence em casa deles, e tudo fizeram para que ela se se fosse embora.
Prudence, filha da governanta do pai de Ro e Vic, quando a mãe morre, é criada por ele como se se tratasse de mais uma filha. Mesmo ajudando em casa ela foi habituada a dormir com as irmãs, ter todas as mordomias e vestidos que podia imaginar. Quando chega a Summerset, casa do conde, e tio da irmãs e se vê odiada e posta a servir, começa a revoltar-se contra a irmã mais velha que tinha prometido protege-lá e não o fez. No entanto, como ela sabe que Summerset foi o sítio onde a mãe nasceu, resolve procurar a verdadeira família dela. Mas sempre que ela diz quem é, todas as portas se fecham e toda a gente diz nunca ter conhecido a mãe dela. Qual será o terrível segredo que toda a gente quer esconder. O que será que a mãe de Prudence fez para que só o nome dela suscite o fechar de tantas portas?
Escrito de uma forma simples e fácil, damos por nós a imaginarmos as cenas que nos são apresentadas sem qualquer dificuldade. É curiosa a facilidade com que conseguimos visualizar os vestidos, os costumes, as expressões ,as comidas, os aposentos enquanto  nos deixamos envolver na narrativa.
A história em si suscita-nos vários sentimentos. Se de inicio o que senti foi uma ternura enorme pelo carinho com que estas 3 mulheres de tratavam, depressa me comecei a sentir revoltada com a atitude de Rowena e da tia desta. Agradada pelas atitudes de Victoria, por ser ela a desvendar o grande segredo que envolve a mãe de Pru. E depois surpresa da forma como termina, porque nada me preparava para a reviravolta que a autora nos apresenta. Sendo uma trilogia, estou ansiosa que saiam os outros dois, para ver como as história destas 3 mulheres se vai desenrolar.
Um livro que não necessita de muita concentração pela forma descontraída como está escrito, é, sem dúvida um livro ideal para ler numa tarde de verão.

Sem comentários:

Enviar um comentário