Crónicas de uma Leitora: "Destinos Interrompidos" de Lissa Price [Opinião]

domingo, 12 de maio de 2013

"Destinos Interrompidos" de Lissa Price [Opinião]

Destinos Interrompidos



Sinopse:


Callie tem dezasseis anos e vive com Tyler, o irmão mais novo, e Michael, um amigo, nos escombros da cidade de Los Angeles. Quando as Guerras dos Esporos rebentaram, matando todos aqueles que tinham mais de vinte anos e menos de sessenta, Callie perdeu os pais. Como muitos outros Iniciantes, teve de aprender a sobreviver, ocupando prédios desabitados, roubando água e alimentos, fugindo aos Inspectores e combatendo os Renegados. Para tirar Tyler das ruas e garantir ao irmão uma vida melhor, Callie só vê uma solução: oferecer a sua juventude à Destinos Primordiais, uma empresa misteriosa que aluga corpos adolescentes aos velhos Terminantes - seniores, com centenas de anos, que querem ser jovens outra vez. Tudo corre como previsto, até o neurochip que lhe colocaram na cabeça avariar. Callie acorda, de súbito, na vida da sua locatária, a viver numa luxuosa mansão, a guiar carros topo de gama e a sair com o neto de um senador. A vida quase parece um conto de fadas, até Callie descobrir que a sua locatária não quer apenas divertir-se e que, no mundo perverso da Destinos Primordiais, a sobrevivência é apenas o começo.


Opinião de Mafi:


Sendo grande fã de distopias foi com algum interesse que acompanhei uma das novidades da Planeta para Maio - Destinos Interrompidos da autora Lissa Price.

A sinopse não engana e estamos perante mais um mundo distópico onde apenas vivem jovens até aos 20 anos e idosos a partir dos 60. Todas as pessoas entre estas idades não sobreviveram a uma guerra e foram dizimadas. É assim que Price nos apresenta esta sociedade futurista. Ora aqui começa os meus problemas com o livro, apesar de ser uma distopia, gosto que haja alguma credibilidade na história e foi-me impossível visualizar um mundo com apenas adolescentes e pessoas mais velhas, que só por acaso podem viver até aos 200 anos. 

Para piorar a situação, a autora inventa o conceito de aluguer de corpos dos mais novos para que os mais velhos possam andar aí a viver a juventude que há muito esquecida. Fez-me imensa 'comichão' esta parte da narrativa, afinal são avós e avôs, membros vulneráveis e carentes, pelo menos na nossa sociedade e não pessoas vis como aparecem aqui que não olham aos meios para atingir os fins.

Apesar de não ter gostado da base da sociedade, a troca de corpos proporcionou bons momentos de acção entre a nossa protagonista Callie, Iniciante e que narra a história e vários Terminantes, entre eles o mais poderoso de todos, o presidente da empresa de aluguer - Destinos Primordiais, incluindo vários twits mais para o fim do livro que me apanharam de surpresa e que foram o ponto alto do livro. 

Contudo não posso elogiar completamente a forma como a autora construiu a parte da troca de corpos e identidades,  há alguns furos que não são explicados e que me deixaram um pouco confusa...pois devido às semelhanças das descrições, fiquei sem conseguir visualizar o processo das operações aos corpos entre os iniciantes e os terminantes. A sensação que me deu é que a autora se baseou bastante em algumas partes do "Nómada" da autora Stephenie Meyer mas que ao mesmo tempo queria incutir alguma originalidade que acabou por perder-se completamente e ficou bastante confuso. Como é o primeiro livro é normal que a autora acabe por não explicar tudo detalhadamente mas foi inevitável não fazer este tipo de comparações entre um livro e outro. 

Quanto às personagens e à semelhança de todas as distopias que li, a Callie é forte, corajosa e bastante rebelde, lutando contra o sistema, depois de saber como opera a Destinos Primordiais  Gostei bastante do Tyler, o irmão dela mas fiquei desapontada por não ter um papel mais activo na narrativa. Quanto ao Michael, nem vou falar...pois quase não teve relevância na história! Claro que não podia faltar romance e mesmo não sendo muito  abordado, confesso que fiquei bastante curiosa como a autora vai desenvolver este item no próximo livro, pois ficou no ar a premissa de um triângulo amoroso, mas posso estar errada.

Em suma, é um livro que me deixou dividida, houve partes que adorei e outras que não gostei assim tanto, mas acredito que como sendo um livro de introdução a este novo mundo e personagens, que o segundo seja bem melhor. Apenas tenho dúvidas se não será também muito rápido, visto que a autora terá de evoluir a trama mas ao mesmo tempo fechá-la de um modo satisfatório e que não pareça precipitado, visto que são apenas dois livros e não três como é habitual. 

2 comentários:

  1. sem ler o livro, esta opinião acabou por tocar em alguns pontos que me deixaram de pé atrás com a sinopse do livro...
    Obrigado

    ResponderEliminar
  2. Andava intrigada com o burburinho deste livro, mas entretanto cruzei-me com a notícia da visita da autora a portugal e fiquei a perceber melhor :)

    ResponderEliminar