Crónicas de uma Leitora: O Segredo da Modelo Perdida | Eduardo Mendoza | Sextante | Divulgação

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

O Segredo da Modelo Perdida | Eduardo Mendoza | Sextante | Divulgação



O novo livro de Eduardo Mendoza


O segredo da modelo perdida é o mais recente romance do Prémio Cervantes 2016

A Sextante Editora publica a 26 de janeiro O segredo da modelo perdida, o novo romance de Eduardo Mendoza. Recuperando o contraproducente – e um pouco desvairado – protagonista investigador de outros romances do autor, este é um livro onde a sátira é uma arma para desmascarar a corrupção e o crime na alta sociedade. Como diz Javier Cercas, Mendoza obriga-nos «a ver a realidade de outra maneira», com a liberdade própria do humor e recorrendo a personagens marginais.

Com uma vasta e prestigiada obra, publicada agora em Portugal pela Sextante Editora, Eduardo Mendoza recebeu recentemente o Prémio Cervantes, o maior galardão das letras castelhanas por, «na esteira da melhor tradição cervantina, [possuir] uma voz literária cheia de subtilezas e ironia, qualidade que o grande público e a crítica sempre souberam reconhecer, para além da sua extraordinária projeção internacional».

O LIVRO

O famoso protagonista, cabeleireiro e investigador dos romances O mistério da cripta assombrada, O labirinto das azeitonas, A aventura do tocador de senhoras e O enredo da bolsa ou da vida regressa agora recordando um caso encerrado nos anos oitenta, e tenta resolvê-lo vinte anos mais tarde.

«Um incidente trivial trouxe-me recordações e fez-me viajar ao passado. Há alguns anos vi-me envolvido num assunto desagradável. Assassinaram uma modelo e culparam-me a mim. Agora tudo isso são águas passadas, mas um impulso levou-me a resolver, por fim, esse caso obscuro. Muita coisa mudou. A cidade, mais que tudo. Naquela época Barcelona era uma porcaria. Hoje é a cidade mais admirada. Quem havia de dizer! O presente nada tem que ver com o passado. Ou tem?»

Os manejos dos poderosos postos a nu para resolver o mistério são pretexto para revelar também a evolução de uma cidade, Barcelona, nas mãos de uma administração gananciosa.
Mestre da sátira e do absurdo, Eduardo Mendoza desenrola uma panóplia de personagens tão excêntricas como tragicómicas ao serviço de uma trama em que nada é o que aparenta.

O AUTOR

Eduardo Mendoza nasceu em Barcelona, em 1943. Autor de uma vasta obra, iniciada em 1975 com A Verdade Sobre o Caso Savolta (que imediatamente obteve o Prémio da Crítica e se transformou numa obra "fundadora" da nova literatura espanhola), é hoje um dos vultos cimeiros do panorama literário europeu. Os seus livros foram repetidamente galardoados, quer em Espanha, quer no estrangeiro, e têm sido frequentemente adaptados ao cinema. Em 2016, venceu o Prémio Cervantes, o mais importante galardão de literatura de língua castelhana.


IMPRENSA

Gosto de Mendoza porque me faz rir, me emociona e me faz pensar... Porque me obriga a ver a realidade de outra maneira. Porque não há nele qualquer resquício de presunção ou de solenidade. Javier Cercas


Um autor insubstituível que, qual generoso alquimista, transforma o seu prazer de narrador numa festa para o leitor. Llàtzer Moix


Gosto de Mendoza porque nunca falha nos problemas essenciais do ofício: clareza, vivacidade, intencionalidade, humor e sentido comum literário. Juan Marsé


Mendoza demonstra que a combinação de uma tonalidade cómica com uma seriedade total nos objetivos resulta eficaz. The Times Literary Suplement


Mendoza é quem melhor segue Cervantes no sentido paródico. ABCD las Artes y Letras

Sem comentários:

Enviar um comentário