Crónicas de uma Leitora: ORPHAN BLACK - 1ª temporada [Opinião]

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

ORPHAN BLACK - 1ª temporada [Opinião]





Veja aqui em baixo o Trailer!



Orphan Black é uma série canadense de ficção científica criada por Graeme Manson e John Fawcett. É uma co-produção entre BBC America e a emissora canadense Space. Protagonizada por Tatiana Maslany, a trama estreou em 30 de março de 2013, recebendo comentários positivos da crítica especializada. Foi indicada para o Globo de Ouro e o Satellite Award, além de ter faturado estatuetas em premiações como Critics' Choice Television Award e Canadian Screen Awards. A segunda temporada da série, cuja estreia ocorreu em 19 de abril de 2014, também foi bem recebida pela crítica. Em 9 de julho de 2014, a série foi renovada para uma terceira temporada de dez episódios com estreia prevista para o dia 18 de abril de 2015.

Primeira temporada (2013)

A primeira temporada contou com 10 episódios, sendo o primeiro lançado em 30 de março de 2013 e o último em 1 de junho de 2013 , com cada episódio de em média 45 minutos. Após presenciar o suicídio de uma desconhecida com a aparência idêntica à sua, Sarah Manning, uma órfã britânica com um histórico de delitos criminais, resolve furtar seus pertences e assumir sua identidade, se passando pela detetive Elizabeth Childs. As intenções iniciais de Sarah eram simplesmente tomar posse do dinheiro contido na conta bancária de Childs e usá-lo para começar uma nova vida com seu irmão adotivo Felix Dawkins e sua filha de 7 anos, Kira. Sarah usa a morte de Beth para despistar seu ex-namorado, um traficante de drogas chamado Victor, assumindo a identidade da policial e, consequentemente, acaba se envolvendo em uma conspiração envolvendo clonagem humana. Sarah então tem de ao mesmo tempo impedir que a polícia descubra sua identidade verdadeira e ajudar suas recém-descobertas irmãs clones a descobrir sua verdadeira origem, além de se proteger de um grupo de fanáticos religiosos que desejam destruí-las. (Fonte: Wikipédia)



Há séries que nos surpreendem, marcam e continuam a surpreender e Orphan Black é certamente uma delas! Totalmente inesperada, avassaladora acaba por quebrar barreiras conjungando diversos géneros televisivos. Desenganem-se ao rotularem esta série como fição científica uma vez que encontramos em cada episódio drama, policial, comédia e uma boa dose de thriler. Tudo à mistura é capaz de nos prender junto à televisão do primeiro ao último episódio fazendo desejar por mais, muito mais!!!

No primeiro episódio conhecemos Sarah Manning (magnificamente desempenhada por Tatiana Maslany e já irão perceber porquê). Esta jovem órfã, com um passado algo duvidoso, regressa a casa com a intenção de se encontrar com sua filha de 7 anos (Kira), bem como com seu irmão adoptivo Felix (mais um desempenho fantástico por parte de Jordan Gavaris). No entanto numa estação de comboios Sarah presencia um suicídio de uma jovem estranhamente parecida com ela. Apesar da surpresa ao ser confrontada por alguém igual a si atirar-se para a linha do comboio, Sarah mantém o sangue frio e rouba os documentos de identificação da jovem em questão - Beth Childs. Possivelmente a intenção seria apenas roubar o dinheiro existente em suas contas, mas Beth Childs era uma polícia e Sarah vê-se confrontada com um mundo diferente do seu e que no qual tem de se inserir assumindo de forma temporaria a «pele» de Beth!

Neste mesmo episódio Sarah é confrontada com outra personagem exatamente igual a si, Katja Obonger, que a confunde com Beth Childs e, a partir daqui, Sarah é sugada para uma espiral de intrigas ao mais alto nível envolvendo a clonagem humana. No decorrer da série somos confrontados com 10 clones, a viver em várias partes do globo. 



Beth Childs - a polícia




Sarah Manning - a rebelde




Alison Hendrix - a controlada e organizada mãe dos subúrbios lolllll



Cosima Niehaus - a cientista



Helena - o anjo vingativo



Rachel Duncan - a pro-clone


Tatiana Maslany tem um desempenho brilhante, muito além de qualquer actor que já tenha desempenhado os papéis de gémeos. Esta consegue delinear a personalidade de cada uma das personagens sem existir margens para erros, existindo alturas em que facilmente nos esquecemos que, ao contrário dosclones, Tatiana Maslany é apenas uma! Bolas, até os sorrisos são completamente diferentes, espontâneos em Cosima, contidos em Sarah, controlados em Alison, calculistas em Rachel, loucos em Helena!!!

O enredo desenvolve-se tendo por base a clonagem levada a cabo por um Instituto que, além de criar diversos clones, tem vindo a monitorizá-los ao longo de sua vida. É com a personagem de Alison Hendrix que assistimos às mais hilariantes cenas aquando das suas tentativas para descobrir que a monitoriza...

Além do Instituto, um dos clones, Helena, foi criada por uma organização religiosa fanática, que lhe transmitiu ser ela a «original» e que deverá matar as restantes clones. Helena e Sarah acabam por ter uma das relações mais aterrorizantes da série, existindo uma cena brutal quando Helena surge após Sarah acreditar que a tinha matado...muito ao estilo das seitas 

Ao longo da série foi impossível não associar a Teoria do Bom Selvagem. "A teoria do bom selvagem", de J. J. Rosseau surgiu em 1755, e diz que o homem por natureza é bom, nasceu livre, mas sua maldade advém da sociedade que em sua presunçosa organização não só permite, mas impõem a servidão, a escravidão, a tirania e inúmeras outras leis que privilegiam as elites dominantes em detrimento dos mais fracos firmando assim a desigualdade entre os homens, enquanto seres que vivem em sociedade. Fonte: http://emilior.tumblr.com/post/3083946336/a-teoria-do-bom-selvagem-de-j-j-rosseau

Se por um lado temos a biologia, o ADN, por outro somos confrontados com a sociedade envolvente, vários sujeitos que partilham o mesmo ADN acabam por ter vivências completamente diferentes influenciando o seu verdadeiro EU! Tendo por base a minha formação em Psicologia Clínica, esta série foi um verdadeiro colírio!

Para terminar, claro está, aconselho sem reservas, esperando que adorem ou detestem, uma vez que dificilmente esta é uma série que nos deixe indiferente.

Sem comentários:

Enviar um comentário