Crónicas de uma Leitora: [Cinema - Opinião]: A viagem dos Cem Passos

terça-feira, 9 de setembro de 2014

[Cinema - Opinião]: A viagem dos Cem Passos




Sou uma apaixonada pela gastronomia indiana, ou um dos meus pratos favoritos não fosse à base do pó de caril. Este condimento que me é tão característico e que habita cá em casa em vários frascos, juntamente com o chilli, o leite de cocô e o gengibre, são alguns dos temperos essenciais para uma boa gastronomia indiana.

"A viagem dos Cem passos" tem algo disto e tem muito mais. É um filme de puro entretenimento e recheado de clichés. Não deixa de ter o seu mérito, e supostamente é baseado num best-seller (editado em Portugal), mas do qual eu nunca tinha ouvido falar até pesquisar sobre a sua adaptação. Tem o mérito de nos fazer esquecer da nossa cozinha tradicional portuguesa, do nosso bacalhau com natas, do nosso arroz doce e das alheiras de Mirandela, para entrarmos em dois mundos culinários totalmente diferentes: a cozinha clássica francesa e a irreverente indiana. 

O filme tem alguns defeitos e pontas soltas, a começar pelos próprio número de passos que divide estes dois estabelecimentos. No grande ecrã não são cem. No livro até o poderão ser, visto que fica à imaginação de cada um. Também não digo que deveria ter havido uma cena em que contam quantos passos dão, mas noto que podiam ter melhorado esse detalhe que era tão fundamental no livro. Basicamente os dois restaurantes estão ainda mais próximos do que o argumento nos apresenta.

Repleto de imagens bonitas de comida, de temperos picantes a contrastar com a cozinha francesa mais moderna que possam imaginar, o filme é leve e divertido q.b. Não exigem uma grande atenção do espectador nem pede uma leitura do livro, seja antes ou após a visualização do mesmo. 

Em termos de romance, achei tudo muito pobre e a forçar o felizes para sempre, que na maioria das vezes,  é a conclusão deste tipo de filmes. Não foi um mau caminho para terminar esta viagem, mas puxava para algo mais denso. Fiquei desiludida por não explorarem a fundo a depressão de uma das personagens, mas não quiseram ir pela via dramática já no fim do filme, é pena. 

"A viagem dos cem passos" podia ser mais saborosa e temperada mas não deixa de ser uma escolha light numa dieta de filmes mais pesados. 

1 comentário:

  1. Li o livro e vi o filme na semana passada e, apesar de ter gostado q,b, de ambos, não adorei nenhum deles. Mas, se tivesse que escolher, provavelmente escolheria o filme como a minha preferência. O livro começa muitíssimo bem, com as cenas passadas na Índia a transmitirem um ambiente fantástico e muito bem descrito, e continua bem até ao momento em que a família chega a França. Aliás, tudo muito bem até ao momento em que o Hassan se muda para Paris. A partir daí o enredo começa pura e simplesmente a arrastar e a paciência começou a rarear...Mas se há grande diferença entre o filme e o livro é, sem dúvida, o seu final. Extremamente diferentes, sem dúvida. O filme puxou a brasa ao romance (não só no sentido 'romélico', como também no sentido platónico), o livro manteve-se afastado disso, em grande parte devido às liberdades artísticas de adaptação que mudaram algumas partes fundamentais do enredo. Ainda assim, como disse, provavelmente o filme sai favorecido na minha opinião em relação ao livro. Num patamar em que nenhum atingiu a excelência, por assim dizer, o filme acaba por nos trazer uma história mais coesa e rica em determinados detalhes.

    ResponderEliminar