Crónicas de uma Leitora: Cinema | Viver Depois de Ti | Comparação Livro vs Filme

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Cinema | Viver Depois de Ti | Comparação Livro vs Filme



Confesso que, apesar de já ter ouvido falar da Jojo Moyers como escritora e de ter relativamente boa imagem dos livros dela, só me interessei por este livro depois de ver o trailer do filme. Tudo nele me cativou, desde a história até ao facto dos protagonistas serem interpretados por Emilia Clarke e Sam Claffin. Também a própria banda sonora do trailer me deixou com o bichinho de querer, com toda a certeza, ler e depois ver o filme. Sim! Porque eu gosto sempre de ler o livro primeiro. Porque o livro, convenhamos, é sempre melhor e tem sempre mais pormenores que podem ser perdidos no filme e, por isso mesmo, é muito mais enriquecedor ver o filme só depois de ter efectuado a leitura. Sendo assim, começo por vos apresentar o trailer do mesmo...


Decidi aproveitar as férias de Verão para fazer a leitura do livro e posso dizer que o devorei. É um daqueles livros em que a leitura flui naturalmente e que nos deixam com um sorriso parvo nos lábios momentos antes de nos deixar com a lágrima no canto do olho. A história em si toca o coração de qualquer pessoa, especialmente se nos colocarmos no lugar de Will. Mas o objectivo aqui não é fazer a análise do livro...Então, depois de efectuar a leitura fui a correr ver o filme. Juro que não consegui esperar um segundo para ver o filme. Estava verdadeiramente ansiosa! E posso dizer que não fiquei nada desapontada.

Esta é com certeza uma das melhores adaptações cinematográficas que já vi. Quem já leu o livro com certeza que se apercebe disso logo no trailer. Algumas das falas mais marcantes do livro estão presentes no mesmo. Não sei se pelo facto de Jojo fazer parte da equipa que fez o screenplay ou se não (mas com certeza que sim!) o filme captou completamente a essência do livro.

Primeiro de tudo os actores escolhidos são, a meu ver, perfeitos. Emilia Clarke personifica Louisa Clarke de uma maneira tão perfeita que não sei se terem o mesmo apelido é coincidência. Fora brincadeiras, ao ler o livro conseguimos sentir a singularidade de Lou, o seu optimismo e a sua maneira doce e divertida de ser. Emilia foi com certeza perfeita nesse sentido. Considero que Emilia se entregou totalmente ao papel e isso é visível em várias cenas, como por exemplo quando Will lhe oferece o presente de aniversário que ela adora. Foi uma cena tão Lou e tão bem interpretada que me fez adorar Emilia ainda mais. Sam, por outro lado, foi...perfeito também. Desde o início rabugento, passando pela sua evolução junto de Lou até ao final, tudo foi perfeito na interpretação de Sam. Fiquei espantada com a capacidade dele de permanecer quieto na cadeira, só mexendo a cabeça e o polegar. Foi um grande papel para ele. Adorei. Além dos protagonistas tive também o prazer de ver Jenna Coleman no filme. A "companion" de Doctor em Doctor Who interpretou a irmã de Louisa que julgo ter ficado muito mais agradável no filme, talvez por ser Jenna. No livro havia alturas em que Treena, a sua personagem, era demasiado egoísta. No filme, tirando uma ocasião acho que ela foi agradável o filme todo. Ainda bem! 

Quanto à história...como disse, foi lindamente adaptada. Claro, a acção foi mais rápida que no livro mas isso é totalmente normal num livro com esta extensão. Apesar disso não me lembro de nada que tenham mudado substancialmente. Todos os momentos importantes foram de uma maneira ou de outra, mais rápido ou mais devagar, referidos. A sequência de acontecimentos não foi mudada e foi perfeito. Apenas me lembro de três pormenores que não foram referidos: no livro a viagem que Lou planeou para Will sabemos os detalhes enquanto que no filme não, o que não é de todo relevante; a história de Lou no labirinto do castelo também não foi referida mas não considero que tenha sido importante para os desenvolvimentos; Lou nunca chegou a mudar-se para a casa de Patrick, acho que no decorrer do filme seria difícil encaixar na acção ainda mais esta questão, não considerando que tivesse feito falta. Além disto, nada mudou. Foi tudo contado na perfeição e Jojo com certeza deu uma ajuda enorme nisso. Acredito que tenha sido essencial a presença dela na escrita do screenplay da mesma maneira que acredito que ela o fez porque queria ver a sua história contada da melhor maneira.

Uma última referência a uma das melhores coisas do filmes: a banda sonora! Absolutamente perfeita. Desde Photograph de Ed Sheeran que podemos ouvir no trailer, passando por Happy With Me de Holychild (que aparece, para mim, numa das cenas mais divertidas do filmes), Not Today dos Imagine Dragons até Till The End de Jessie Ware, cada uma mais especial do que outra. Porque eu fiz-me o favor de ler o livro com a banda sonora do filme. Melhorou em muito a leitura, acreditem.

E foi assim que Viver Depois de Ti se tornou um dos meus livros e filmes favoritos de sempre. Aconselho vivamente a acompanharem a história de Will e Lou....e não se esqueçam de ter uns lencinhos à mão, só por precaução. Não vou spoilar nada, não se preocupem!


4 comentários:

  1. Concordo plenamente contigo. O filmo é lindo, mas o livro é perfeito!!!
    Está no meu top sem sombra de dúvidas <3
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apaixonei-me pelos personagem no livro e isso só aumentou com o filme. Absolutamente fantástico. Ainda bem que concordas! =)

      Beijinho

      Eliminar
  2. Li o livro depois de ver o filme, precisamente para não me sentir desiludida. Claro que os livros são mais detalhados e obrigam—nos a algo muito importante e individual que é recriarmos a história lida nas nossas cabeças, imaginando sons, caras, lugares, coisa que o filme faz por nós. Indiscutivelmente, adorei ambos, filme e livro. Embora concorde que as partes presentes no Livro e não mencionadas no filme não corrompam o enredo do mesmo, é preciso, contudo, dizer que são importantes. A inexistência de uma irmã de Will no filme é quase paralela à sua pertinência na obra, mas a história do labirinto explica a razão porque Lou se tornou na pessoa que se tornou, sendo no entanto, completamente ignorada no filme por levantar, a meu ver, o véu de um assunto bastante delicado. Confesso que, depois de ter lido o livro, voltei a ver o filme e fiquei contente por o ter visto da primeira vez, sem que tivesse lido o livro. O impacto foi maior e não retirou qqr prazer à posterior leitura. A química entre os atores é fantástica e, apesar deste filme ter sido objecto de duras e contraditórias críticas pelo assunto que trata, a eutanásia, é, sem dúvida, um filme que nos conquista pelo desempenho brilhante dos protagonistas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pessoalmente gosto muito mais de ler primeiro o livro porque acho importante ver a história contada da "melhor" maneira o que muitas vezes não acontece nos filmes. Felizmente este não foi o caso.
      Não sei porque não abordaram a história do labirinto. Possivelmente porque o filme já trata um assunto delicado e não quiseram sobrecarregar o telespectador. Talvez fosse isso.
      A beleza desta história é visível, com certeza, tanto no filme como no livro, da mesma maneira!

      Eliminar