Crónicas de uma Leitora: Anime & Manga | Moe Kare | Opinião

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Anime & Manga | Moe Kare | Opinião

Nome Original: 萌えカレ!!
Tipo: Mangá
Status: Completo
Autor: Ikeyamada Go
Desenho (Art): Ikeyamada Go
Ano de Lançamento: 2004
Hikaru é uma jovem sonhadora, e também é uma viciada em mangás shoujos (romances) e por isso acredita fielmente que um príncipe encantado vai aparecer na sua vida. Só que num belo dia ela se mete em uma confusão para ajudar um miúdo que estava sendo assaltado e ela torna-se a vitima. No entanto, ela é salva por um lindo rapaz de olhos azuis. Na cabeça dela, ela imagina que ele poderia ser seu príncipe encantado que a protegeria para sempre. Eis que, sem aviso prévio o jovem agarra-a e rouba-lhe seu primeiro beijo. Hikaru fica chocada com o pervertido e para curar a sua ferida as amigas dela decidem fazer um Goukoun (encontro em grupo) e quando Hikaru chega ela encontra o príncipe pervertido, mas espera?!! O principe pervertido que ela tem à sua frente não não tem os fascinantes olhos azuis que tinha da outra vez. Será que são dois? E o que Hikaru vai fazer?

Nunca pensei que fosse gostar tanto desta história. O manga é composto por por sete volumes, cada um com cinco ou seis capítulos.
   
   
Na verdade, lê-se muito bem e depressa, pois a cada capítulo que acaba queremos sempre saber o que vai acontecer no seguinte.
Basicamente, Hikaru é uma jovem estudante de quinze anos que adora ler manga romântico e que anseia por conhecer o seu príncipe encantado. Alguém que a proteja, que a acarinhe e que faça tudo por ela. É nesta altura em que ela se depara com Arata. Um jovem de dezasseis anos, de cabelo escuro e olhos azuis penetrantes. É ele quem rouba aquele momento marcante na vida de uma jovem: O primeiro beijo. Depressa Hikaru percebe que ele não é o príncipe que ela tanto espera. É bruto, arrogante, violento, pervertido e sem qualquer pingo de educação. Rouba-lhe o beijo e depois vai-se embora, tão depressa como apareceu deixando Hikaru a ferver de indignação.
Não tarda muito a que, indo a uma festa com as amigas Hikaru volte a encontrar o seu "príncipe pervertido", pensava ela. No entanto, o rapaz que ela encontra na festa não se trata de Arata e sim de Takara. Uma cópia exacta de Arata mas numa versão de olhos castanhos e afectuosos.
É a partir desta altura que Hikaru começa a apaixonar-se por Takara e pelos seus modos e coração gentis, principalmente quando vê que Takara não é nada igual a Arata. Ao longo dos dias, também Takara apercebe-se de que gosta muito de Hikaru e num arroubo de paixão declara-se a ela e promete-lhe que vai ficar sempre ao seu lado. Tornam-se namorados inseparáveis e amorosos.
Pode parecer algo "parvo" estar aqui a contar a história de uma miúda de quinze anos que vai ver-se envolvida num triângulo amoroso, mas como disse mais acima, a história torna-se tão envolvente e interessante que é complicado deixar de ler até ao fim. Ainda bem que é um manga com pouco volumes, pois acho que se fosse mais longo, acabaria por tornar-se repetitivo e maçador porque a partir da altura em que ela se decide por um deles, está tudo resolvido, certo? Certo!
Agora porque é que eles são tão parecidos os dois, a ponto de serem confundidos por todos os que se cruzam com eles? Ora, o paizinho de Takara andou a pular a cerca quando estava noivo da mãe de Takara. Ou seja, Arata é o meio irmão de Takara, aquele que foi criado sem pai e praticamente sem mãe, uma vez que ela morreu muito nova. É óbvio que Takara não tinha conhecimento de nada disso, uma vez que o pai nunca confessou a sua traição à noiva. Mas, Arata sempre soube da verdade pois o avô sempre fez questão de lhe dizer que ele não era bem vindo pois era a cara do pai, o homem que destruiu a vida da filha.
É mais do que natural que Arata, o filho bastardo, sinta ódio pelo meio-irmão. Aquele que teve o amor de um pai e de uma mãe. Que foi o escolhido. É nessa onda que eles se conhecem, Arata e Takara, e que ele faz de tudo para tentar tirar-lhe a pessoa que Takara aprendeu a amar: Hikaru.
Apesar de chocarem sempre de frente, Arata começa a desenvolver um sentimento muito forte por Hikaru e quando se confessa a ela, apesar de ela já ser namorada de Takara, ela não acredita, pois é sempre tão maltratada por ele. Hikaru está certa do seu amor por Takara, mas, num belo dia, aparece Ami, a melhor amiga de Takara (apaixonada por Takara desde criança). Ami declara-se a ele numa tentativa de invocar toda a cumplicidade existente entre eles os dois desde pequenos e quando se apercebe que o perdeu, parece que desiste. No entanto, na noite de véspera de Natal, Ami sofre um acidente para salvar Takara e a partir daí, em coma e em risco de ficar paraplégica para toda a vida, Ami consegue que Takara desista de Hikaru para ficar com ela, uma vez que foi por culpa dele que ela ficou em risco de vida. É a Ami que Takara deve a vida e é com ela que ele tem a obrigação de ficar.
Inevitavelmente, é aqui neste ponto da história que Takara e Hikaru se separam. Ora, também é aqui que a história vai levar uma grande reviravolta. 
Magoada e de coração partido, Hikaru deixa Arata entrar na sua vida e encher-lhe os dias de sorrisos e alegria. Aos poucos, compreende o porquê de Arata ser um rapaz tão frio e distante. Ele simplesmente não sabe o que é amar e ser amado. Nunca teve quem o amasse acima de tudo e consciente disso, apercebe-se de que apenas ela consegue, de facto, ser a única que o consegue fazer feliz. Dia após dia, Arata consegue fazer com que Hikaru o deixe entrar no seu coração e faz com ela seja a única que o conhece de verdade. O desfecho era inevitável... Hikaru aceita ser sua namorada e promete-lhe estar sempre a seu lado.

Era de esperar que a história acabasse por aqui. Takara com Ami e Hikaru com Arata. Contudo, Takara não se conforma por ter perdido Hikaru e ao vê-la com Arata decide que não pode ficar sem ela. Não pode comprometer toda a sua vida e a de Ami, ao ficar com alguém que não ama verdadeiramente. Ao ver que Ami, dia após dia vai recuperando, ele ganha coragem e separa-se dela. É sincero ao dizer-lhe que por mais que tenha tentado, o seu coração só pertence a Hikaru. Tenta reconquistar o seu lugar ao lado de Hikaru, mas desta vez, apesar da dúvida ter-se instalado no coração e mente dela, no final de tudo ela sabe quem tem de escolher. E a meu ver, apesar de gostar imenso dos dois, ela fez a escolha certa. É possível amar-se duas pessoas tão intensamente? É. Mas não ao mesmo tempo, e é isso que Hikaru se apercebe. Irá sempre amar um, mas é o outro que tem lugar cativo ao seu lado e no seu coração.

Como disse no início, não esperava gostar tanto desta história e destas personagens. Apesar de muito jovens, sentem responsabilidades, sentem que devem ser fiéis ao amor que sentem no coração acima de tudo e de todos. Apesar de ser uma história contada em banda desenhada, consegue transmitir-nos grandes valores que só deveriam estar presentes e ser inerentes a pessoas adultas. Transmite-nos a ideia de que temos de lutar pelo que ou por quem amamos, sem olhar a meios. No final, teremos sempre a nossa recompensa.
Onde ler?
http://mangafox.me/manga/moe_kare

Espero que tenham gostado... e espero que tenha ficado com vontade de o ler na íntegra e saber de todos os pormenores ;)

Sayōnara, yoku taizai
(Adeus e fiquem bem)

Post Original

Sem comentários:

Enviar um comentário