Crónicas de uma Leitora: Cinema | X-Men: Apocalipse | Opinião

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Cinema | X-Men: Apocalipse | Opinião



Desde o início da civilização, ele era adorado como um deus. Apocalipse, o primeiro e mais poderoso mutante do universo X-Men da Marvel, acumulou os poderes de muitos outros mutantes, tornando-se imortal e invencível. Ao acordar depois de milhares de anos, fica desiludido com o mundo em que se encontra e recruta um grupo de mutantes poderosos, incluindo um Magneto desanimado, para purificar a humanidade e criar uma nova ordem mundial, sobre a qual ele reinará. Com o destino da Terra em causa, Raven com a ajuda do Professor X irá liderar uma equipa de jovens X-Men para combater o seu maior inimigo e salvar a humanidade da destruição total.


Apesar de ser fã deste tipo de filmes, não sigo a franquia X-Men de perto e mesmo sem ter visto os filmes anteriores desta trilogia, é impossível não apontar alguns erros a este novo filme que estreia hoje nos cinemas nacionais.

A premissa é básica e cliché, basicamente vão buscar o primeiro mutante do mundo. O filme abre com as paisagens do Egito Antigo, na região do Vale do Nilo, onde é criado aquele que é reconhecido como o primeiro mutante, denominado de Apocalipse. Durante um ritual  que permite ao mutante agregar novos poderes, os seus súbitos são atacados deixando o vilão em hibernação durante muitos anos. O filme dá um salto no tempo e vemos Apocalipse, desperto, mais poderoso do que nunca a tentar recrutar novos súbitos para si. É aqui também que iremos encontrar um novo grupo de X-Men, trazendo de volta algumas caras conhecidas e apresentando novos rostos a personagens já também conhecidas do grande público só que desta vez vividas por jovens actores.  


Para além do plot ser banal, o grande leque de personagens não tem muito espaço para se desenvolver. O filme bem tenta em criar estórias e motivos para as personagens estarem ali mas falha redondamente em alguns casos como por exemplo na paternidade de Peter (Evan Peters) que é revelada durante o filme  depois é deixada ao acaso. O grande destaque será mesmo Jean (Sophie Turner), que assume um papel de maior relevância à medida que o filme se vai aproximando do seu fim. Apocalipse, apesar de ser o grande vilão não assusta ninguém. Fiquei surpreendida com a presença de uma antiga personagem ms também foi pouco o impacto que teve no enredo, ficando mais um ponta solta para futuros filmes.

Não é um filme mau, apesar de ser bastante previsível, consegue criar novas bases para futuros filmes sem estar demasiado ligado aos outros filmes da trilogia, o que é algo positivo pois pode atrair novos fãs, agora com esta nova geração. É um filme que nos entretêm durante duas horas e para quem que entrar neste mundo, não sairá defraudado. Já os fãs maiores da saga poderão achar uma decepção. 


Sem comentários:

Enviar um comentário