Crónicas de uma Leitora: Cartas de Amor aos Mortos | Ava Dellaira | Opinião

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Cartas de Amor aos Mortos | Ava Dellaira | Opinião


Após a trágica morte da irmã mais velha, Laurel sente o mundo ruir. Com a separação dos pais, tem de viver com a tia, uma católica fervorosa que lhe impõe rígidas normas de comportamento.
Numa aula de Inglês, a professora desafia os alunos a escreverem uma carta a alguém que já morreu. Laurel dirige a primeira carta a Kurt Cobain, porque a irmã adorava esse cantor. A partir daí, sucedem-se missivas endereçadas aos seus ídolos do cinema, da música e da literatura – todos mortos.
Nas cartas, Laurel aborda facetas cativantes dos seus ídolos e partilha momentos marcantes da própria vida, dos novos amigos ao primeiro amor.
Contudo, continua atormentada pelo passado, e apenas poderá libertar-se quando enfrentar o mistério que envolve a morte da irmã.
Para mais informações sobre este livro, consulte o site da Editorial Presença, clicando AQUI
Já andava de olho neste livro em inglês e estava até na wishlist mas fiquei muito agradada quando me foi proposto para leitura pela Editorial Presença, estava super expectante porque logo depois dos romances de época são os YA Contemporâneos que mais me têm prendido. Entrei de cabeça, já sei que há sempre muito drama, fico quase sempre perto das lágrimas por isso preparei-me para enfrentar o livro.

De início gostei muito, as cartas eram muito interessantes porque Laurel escreve para várias celebridades que já faleceram e introduz em cada carta detalhes da vida pessoal ou profissional da pessoa, fazendo uma ponte para a sua vida seja a presente seja para acontecimentos do seu passado. Ao longo de um ano lectivo a jovem Laurel vai usando as cartas como um escape para os problemas que tem, vemos desde cedo ela a andar ao correr da maré, seguir as novas amigas e imitá-las, a descobrir a adolescência e ao mesmo tempo lidar com todo o sofrimento, culpa e desespero que tem dentro de si. Não gostei logo dela, gostava das cartas mas achava a personagem fraca e frágil, demasiado egocêntrica mas ao poucos ela foi-se revelando, bem como as restantes personagens. Depois comecei a ficar aborrecida, porque eu queria mais da vida de Laurel e o tanto que gostei de saber os tais detalhes dos seus ídolos começou a fartar, chegou ao ponto que tive de colocar o livro de lado porque estava a enjoar. Assim ficou durante duas semanas (durante as quais li Milagres do Céu e Gregor também publicados pela Editorial Presença) até que decidi retomar e terminei num ápice.

Percebemos desde cedo que há ali no trio de amigas um conjunto de problemas e fragilidades que a própria idade as impede de ultrapassar, todo o drama parece exacerbar na adolescência e cada uma tem o seu mas ao longo da narrativa vemos o circulo de amigos que Laurel constrói à sua volta tornar-se mais forte e mais coerente.

A forma como a história está construída leva-nos a construir uma ideia muito clara de May (a irmã de Laurel que faleceu poucos meses antes), a irmã mais velha, protectora e amiga que se deixa afectar de uma forma pouco saudável pelo divórcio dos pais, cometendo uma série de disparates. O mistério que envolve a sua morte (pois a protagonista demora a conseguir explicar tudo o que aconteceu) leva-nos a pensar em algo monstruoso e a trágica realidade deixa-nos a pensar na fragilidade das pessoas e em como num sopro se perde uma vida que ainda estava a florescer.

A autora teve uma ideia original e peculiar para a sua narrativa, toda ela é feita através das cartas e sempre pela perspectiva de Laurel, (foi a primeira vez que tive contacto com este estilo) tornando-a unilateral e por vezes pouco clara, nem sempre conseguiu prender o leitor devido à informação que ia inserindo sobre as celebridades com quem Laurel "falava", apesar de compreender que havia sempre um paralelo com algo que a jovem queria contar e que seria de alguma forma importante para a narrativa não deixou de ser por vezes cansativo mas houve algumas informações bastante interessantes que nunca me tinha dado ao trabalho de pesquisar.

Gostei deste livro (dei 3 estrelas no Goodreads) mas não o adorei, esperava mais qualquer coisa, contudo espero que a Editorial Presença continue a apostar neste género e que publique muitos mais livros nesta nova coleção "Jovem Adulto".



Este livro foi gentilmente cedido pela Editorial Presença em troca de uma opinião honesta.

Sem comentários:

Enviar um comentário