Crónicas de uma Leitora: Yggdrasil | MBarreto Condado | Opinião

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Yggdrasil | MBarreto Condado | Opinião



E se a vida como a conheces pudesse ser muito mais? Desde o início do tempo dos clãs, que os MacCumhaill se mantinham unidos. Família de poderosas mulheres e orgulhosos guerreiros. Tinha-lhes sido exigido um único sacrifício em troca da sua imortalidade, manter o equilíbrio entre os três mundos. E esse equilíbrio tinha sido quebrado. As portas estavam abertas facilitando a passagem de todos os seres sobrenaturais. Seria Maria, uma jovem estudante portuguesa acabada de chegar a Dublin, a ajuda poderosa pela qual aguardavam há tanto tempo? Conseguiria ela aceitar tudo o que lhe era pedido? Acreditar neles e lutar ao seu lado? Dividida entre o seu dever e o amor que sente pelo herdeiro do clã irá descobrir que deve seguir o seu coração, mas esse também já não é seu. Tinha-o entregue àquele homem ainda antes de lho dizer. Este era o início de uma nova Era… da Profecia do Sangue.


Este livro foi uma agradável surpresa. Quando recebi o convite da autora para o ler, aceitei e decidi dar uma hipótese a este livro de origem nacional. E ainda bem que o fiz pois foi uma leitura bastante agradável e que me deixou expectante em relação aos próximos volumes. Literatura fantástica é a minha praia, por assim dizer, é aquela leitura que me leva para longe e me faz conhecer novos mundos.

Neste livro encontramos diversas personagens, cada uma com as suas características, das quais destaco:
- Maria, uma jovem portuguesa, normalíssima até o seu avião aterrar em Dublin, mas após isso começa a descobrir os seus poderes e a sua vida deixa de ser o que sempre conheceu até ali. Acho que a Maria aceita demasiado bem o que lhe dizem em relação à profecia e ao clã, poderia ter dado alguma luta e mostrar-se um pouco relutante em relação ao que lhe foi pedido. Algo que adorei na personagem da Maria foi a sua relação com a avó, um amor incondicional que apenas alguns saberemos compreender e dar valor.
- Rhenan, um belo irlandês da família MacCumhaill (penso que a capa seja inspirada na personagem e sinceramente acho que o livro merecia uma capa mais bonita e vistosa), que espera a concretização de uma profecia antiga e quando digo antiga é mesmo antiga, até ele é antigo.
- Fionn, irmão de Rhenan, é o chamado “palhacinho” do grupo que cria situações bastantes divertidas e que embora tenha comentários inapropriados em algumas situações é muito adorado por todos.
- Rita, amiga de Maria que viaja com ela para Dublin e que se apaixona perdidamente por um colega da universidade. Na minha opinião é uma personagem muito sumida que podia ter tido mais destaque. Podia, por exemplo, ter estando ao lado da amiga quanto mais não fosse para fazê-la pensar se seria normal acontecer tudo tão depressa entre Maria e Rhenan.
Além destas personagens contamos com mais alguns membros do clã MacCumhaill, familiares da Maria e da Rita, e depois alguns seres não humanos como Danu (rainha dos Tuatha Dé Danann) e Hel (uma traell). Para saberem quais são os bons e os maus terão que ler o livro pois muita coisa já ficaram a saber neste bocadinho.

No que toca à escrita da autora notam-se algumas falhas a nível dos diálogos, principalmente quando a família está reunida e por vezes não sabemos qual das personagens está a falar, o que faz com que tenhamos que ler todo o diálogo ou repetir a leitura para conseguirmos atribuir as falas às personagens. Penso que esta situação tinha sido ultrapassada com uma revisão feita por terceiros, visto que a indicação existente no livro é que a mesma foi feita pela própria autora. Além desta situação dos diálogos, os únicos aspectos menos bons que tenho a frisar são a pouca presença da Rita ao longo do livro e a facilidade com que a Maria aceitou toda a situação, alterando a sua vida do dia para a noite. Tirando estes aspectos penso que a história em si está bem conseguida, prende o leitor à trama e queremos descobrir mais coisas sobre a profecia a cada página virada.

Uma profecia, fadas, sombras, humanos, clãs de homens jeitosos com kilt. Em resumo: uma leitura agradável que recomendo a quem é fã deste tipo de literatura e que quer conhecer o que se faz por cá com criaturas fantásticas e mitologia à mistura. Quanto a mim aguardo pela continuação da história pois ainda há mistérios por desvendar e fiquei realmente curiosa em saber como tudo isto acaba.



Este exemplar foi gentilmente cedido pela Chiado Editora em troca de uma opinião honesta

Sem comentários:

Enviar um comentário