Crónicas de uma Leitora: FSOG | Diário de uma Leitura Indesejada #5

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

FSOG | Diário de uma Leitura Indesejada #5


Pessoal tenho de dizer isto, agora é que a coisa ficou boa... uma boa merda! Juro que no final desta leitura teremos que fazer um minuto de silêncio por todos os neurónios que se têm e irão suicidar ao longo da mesma, restará apenas o tico e o teco e mesmo esses em estado terminal e a dizerem algo como:
Chegando lá e vendo todos os objectos de tortura do tempo da inquisição pendurados por todo o quarto
a jumenta (peço perdão a todos os jumentos que ofendi) diz que de alguma forma é ROMÂNTICO! sim leram bem, um quarto que faria o mais empedernido dos soldados tremer de medo e ela acho romântico
Os pensamentos dela são completamente esquizofrénicos, ora acha que deveria sair dali a correr como se não houvesse amanhã ora o fascinio é maior que o medo, entretanto ele lá a leva ao escritório e apresenta-lhe um contrato com regras gerais que serão entretanto discutidas com eles. É claro que ela fica a olhar para o contrato como um burro a olhar para um palácio (ainda sou processada por ofensas graves pela classe asinina).
O contrato lá tem assim uma série de coisas mais ou menos estranhas, o facto de estar impessoal (a submissa / o dominador) não me choca até porque é standard e o gajo diz que é para ser negociado. E ela começa logo por dizer que acha mal ele pagar as roupas dela, por hey era mesmo isso que era o mais esquisito ali naquele contrato, uma gaja virgem, sem qualquer tipo de experiência sexual é apresentada a um quarto de BDSM e logo em seguida espetam-lhe um contrato com os termos em que a relação deles se vai reger e ela preocupa-se com o facto dele querer comprar-lhe roupas.
Filha o gajo quer amarrar-te, bater-te, f*der-te à bruta (palavras dele não minhas), enfiar coisas em sitios que não deveriam ter coisas enfiadas então só acho que as roupas são o mínimo não?
A segunda reclamação da menina é que ela só quer fazer exercício 3 vezes por semana e não 4... certo, de tudo o que está ali (ele querer controlar o que fazes,com quem fazes, quando fazes, o que comes, como comes, quantas horas deves dormir) estas são as duas questões mais importantes, a roupa e o exercicio, porque faz todo o sentido não querer ter o seu próprio personal trainer (escolhido por ele, que também escolhe o salão onde ela se vai depilar - e o choque dela é mesmo ter de tirar pêlos).
Então ele dá-lhe um documento com os limites dele e quer saber os limites dela que ela obviamente não sabe quais são, é nessa altura que ele percebe que depois de tudo o que lhe mostrou e de toda a conversa que tiveram que a desgraçada nunca lhe disse que era virgem, sinceramente a primeira coisa a fazer assim que se conhece um homem é quantificar as ... que se deu!
E nesse momento amigos e amigas eu rendo-me ao romantismo de Christian Grey:
“We’re going to rectify the situation right now.”
“What do you mean? What situation?”
“Your situation. Ana, I’m going to make love to you, now.”
Então.. então... a virgindade da moça é uma situação a ser rectificada, pois E.L. James tens cá um lirismo pá, és uma artista das palavras a sério, nem sei como é que ainda não ganhaste o Nobel.
E Anastasia é de uma desenvoltura estupenda:
“Oh.” The floor has fallen away . I’m a situation. I’m holding my breath. 
É que é exactamente OH! que eu tenho vontade de dizer, OH que otário, OH que palhaçada, OH que granda merda, sendo que granda nem sequer existe e eu já estou a dar erros gramaticais.
Ainda por cima o tipo é absolutamente psicótico porque ora diz uma coisa mais "meiga" ora diz uma barbaridade sem tamanho, querem ver? Nah! sou vossa amiga não vos massacro mais por hoje com citações.
 
Lá vão eles para a cama dele quando o Cinza lhe pede para ela lhe mostrar como se satisfaz e ela diz que nunca fez isso, Ó Ó Ó epá nem tenho nomes pra chamar a esta gente, uma rapariga de 21 anos ser virgem ya é aceitável, acontece, não é absurdo, agora nunca se ter tocado? nunca ter sentido curiosidade? mesmo depois de conhecer o Grey e perceber que ele a excitava? a James pensa o quê? tá a escrever livros passados na idade média onde tocar no corpo era tabu ou quê? uma mulher que não se conhece? não conhece o próprio corpo???
 
 e digo desde já que o gajo é um artista (ou a James uma ninfomaníaca) porque ela atinge o orgasmo só com ele a "trabalhar-lhe" nos peitos, desculpem-me lá ou ela já tava em ponto de rebuçado ou ele é mesmo bom. E quando ela chega "lá" fica toda "ah então é por isso" e talz, ai a sério?
Entretanto eles pinam duas vezes e as cenas são tão apelativas que nem sei como vivi toda a minha vida sem as ter lido.
_______________________________________________________________
 
 

2 comentários:

  1. E o romantismo da coisa? Afinal é a 1ª vez que ele dorme com alguém, a 1ª vez que faz "sexo baunilha" e mais importante, o mais estranho e deslocado na "Sala vermelha de dor" para Anastasia é.... O sofá, que a própria conclui ser a única peça que deveria ser normal, e depois de falar do contrato e de ver a sala, vamos lá resolver a situação....
    Confesso que é mesmo inspirador :-p

    ResponderEliminar
  2. Ohhh Vera o que eu me ri com este teu post, simplesmente amei xD
    És maravilhosa :D

    ResponderEliminar