Crónicas de uma Leitora: "Um dó li tá | M. J. Arlidge | Opinião

sábado, 31 de janeiro de 2015

"Um dó li tá | M. J. Arlidge | Opinião


Para mais informações clique aqui





Sinopse:
DOIS REFÉNS. UMA BALA. UMA DECISÃO TERRÍVEL. SACRIFICARIA A SUA VIDA PELA DE OUTRA PESSOA?
Uma jovem rapariga surge dos bosques após sobreviver a um rapto aterrador. Cada mórbido pormenor da sua história é verdadeiro, apesar de incrível. Dias mais tarde é descoberta outra vítima que sobreviveu a um rapto semelhante.
As investigações conduzem a um padrão: há alguém a raptar pares de pessoas que depois são encarcerados e confrontados com uma escolha terrível: matar para sobreviver, ou ser morto.
À medida que mais situações vão surgindo, a detetive encarregada deste caso, Helen Grace, percebe que a chave para capturar este monstro imparável está nos sobreviventes. Mas a não ser que descubra rapidamente o assassino, mais inocentes irão morrer?
Um jogo perigoso e mortal num romance de estreia arrebatador e de arrasar os nervos, que lembra filmes como Saw, Enigma Mortal e A Conspiração da Aranha.



“Um, dó, li, tá” parece ser a forma como esta assassina escolhe as suas vitimas e consequentemente um excelente titulo para esta leitura.  
M. J. Arlidge apresenta-nos um policial viciante, que me conquistou por todo o mistério, as reviravoltas, a detetive principal Helen Grace uma personagem complexa e obscura, um caso de raptos/assassinatos repletos de mistério e estranhos, apresentados em capítulos pequenos que nos levam a uma leitura afoita e sôfrega.

É me difícil fazer esta opinião sem revelar muito da história, revela uma mente retorcida e sombria de uma assassina que não suja as mãos, o trio de detetives encabeçado por Helen Grace e o seu lado sombrio,  Mark Fuller e a sua dependência alcoólica e Charlene Brooks , conhecida como Charlie, que quer subir na hierarquia e tem como exemplo Helen Grace, todos têm segredos que não desejam partilhar com ninguém, e as vítimas que sobrevivem, estão mais aterrorizadas.

Na minha opinião o autor conseguiu caracterizar complexamente as personagens, e apesar do ritmo, nenhum detalhe fica para trás. Sendo uma leitora compulsiva deste género literário, recomendo vivamente a sua leitura, este é um dos melhores livros policiais que já li.



Sem comentários:

Enviar um comentário