Crónicas de uma Leitora: A Voz de Juliet Marillier [Opinião]

quarta-feira, 9 de julho de 2014

A Voz de Juliet Marillier [Opinião]

Sinopse:
A surpreendente conclusão da trilogia que começou com Shadowfell, cheia de romance, intriga e magia. Há um ano, Neryn nada tinha a não ser um Dom Iluminado que mal compreendia e o sonho vago de que a mítica base rebelde de Shadowfell pudesse ser real. Agora, é a arma secreta dos Rebeldes e a sua grande esperança de fazerem vingar essa revolta secreta contra o rei Keldec, que terá lugar no dia do Solstício de Verão. O destino de Alban está nas suas mãos. Entretanto, Flint, o homem por quem se apaixonou, está no limite das suas forças enquanto espião na corte do rei e acumulam-se as suspeitas da sua traição. Em jogo, está a liberdade do povo de Alban, a possibilidade de os Boa Gente saírem dos esconderijos e a oportunidade de Flint e Neryn se unirem finalmente. 



A Voz de Juliet Marillier é o terceiro e último volume da trilogia Shadowfell, uma série dentro do género fantasia cuja acção se desenrola num passado longínquo numa época mágica com criaturas assombrosas. O mundo criado pela autora é muito próprio não podendo ser localizado num atlas atual sendo que nos é fornecido um mapa logo no início de cada livro, ainda assim e não sei qual a influência vejo sempre estes acontecimentos situados algures na Irlanda.

Numa linguagem claramente cuidada e bastante rica, Juliet Marillier tece uma história complexa com descrições minuciosas e acontecimentos de tal forma intricados que nos perdemos nas páginas por vezes de uma maneira quase sem retorno tornando esta uma das experiências literárias mais mágicas de sempre.

Nesta aventura Neryn, de 16 anos, já tem plena consciência do seu poder e de como deve utilizá-lo porém ainda tem de aperfeiçoá-lo visitando a Dama Branca e o Senhor das Sombras para aprender mais sobre o ar e o fogo. Infelizmente o tempo escasseia e entre viagens e aprendizagem a jovem teme os percalços. Quem conhece esta história sabe que os caminhos são perigosos, as pessoas traiçoeiras e a desconfiança, muitas vezes, a unica forma de sobrevivência. Neryn demonstra mais uma vez uma força interior enorme e uma maturidade invulgar, a verdade é que em tempos idos passava-se da infância para a idade adulta e crescia-se muito depressa devido às adversidades da vida. Neryn mostra como o seu fardo, tão pesado para outra pessoa, era o certo para si pois conseguiu a sabedoria necessária para tomadas de decisões determinantes para o rumo dos acontecimentos.

Todos os contactos forjados ao longo dos três livros, os amigos e aliados que se fizeram, os amigos e inimigos que se ganharam e perderam convergiram num unico e grandioso acontecimento para o povo de Alba. As criaturas mágicas denominadas de Boa Gente conseguiram entrar no nosso coração pela sua singularidade, princípios e dedicação, os Rebeldes de Shadowfell mostraram-se uma frente unida e capaz e Flint e Neryn deram mais uma vez provas da sua dedicação à causa.

Uma narrativa impressionante, cheia de amizade, amor, provações e muita magia A Voz é o culminar de uma história vibrante com contornos verdadeiramente apaixonantes que não deixará ninguém indiferente. Juliet Marillier conseguiu algo que julguei que nenhum autor fosse capaz, fez-me adorar este género de fantasia que nunca fez o meu estilo. Estou fã incondicional da autora e espero que continue a criar histórias com a mesma envolvência.

Sem comentários:

Enviar um comentário