Crónicas de uma Leitora: As Portas da Meia-Noite, de Lara Adrian [Opinião]

segunda-feira, 10 de março de 2014

As Portas da Meia-Noite, de Lara Adrian [Opinião]


Sinopse:
No árido e gélido deserto do Alasca, a ex-agente da polícia Jenna Darrow consegue sobreviver a um acontecimento inexplicável que a fere no corpo e na alma. Contudo, a sua fuga traz-lhe um desafio ainda maior. No seu interior estão a ocorrer mudanças estranhas, e ela luta consigo própria para tentar compreender e controlar uma nova fome. Para isso, refugia-se em Boston no recinto da Ordem, uma antiga raça de guerreiros vampiros cuja própria existência está rodeada de mistério. Possivelmente, o mais misterioso de todos é Brock, um macho alfa melancólico de olhos negros e aspeto ameaçador cujas mãos têm o poder de consolar, curar... e seduzir. Enquanto recupera com os cuidados de Brock, Jenna sente-se atraída pela missão da Ordem: fazer com que um inimigo cruel e o seu respetivo exército de assassinos pare de submeter a humanidade a um reino de terror. Apesar da determinação de ambos em lutar contra os próprios sentimentos e deixar-se levar apenas por uma atração física, Jenna e Brock ver-se-ão envolvidos num desejo muito mais selvagem do que a vida e mais forte do que a morte... Até que um segredo do passado de Brock e a mortalidade de Jenna submeterão o amor proibido que ambos sentem um pelo outro a uma última prova de fogo.
 Sou fã incondicional de Lara Adrian e desta saga absolutamente fantástica, por isso tal como eu esperava este livro foi absolutamente bombástico, rico em acontecimentos surpreendentes e com uma acção de tirar o fôlego. Carregado de cenas eróticas com uma qualidade inegável e um romantismo de aquecer qualquer coração Adrian leva-nos de volta à sede da Ordem em Boston presenteando-nos com personagens ricas e de personalidades fortes como estamos habituados. Não é possível resistir a estes deliciosos vampiros nem às suas sensuais companheiras.

A acção inicia-se dias após o final do livro anterior e espera-se que Jenna acorde para se tentar o que aconteceu entre ela e o Antigo que a atacou. Vários exames clínicos são feitos tendo-se detectado um corpo estranho dentro dela, cortesia do sanguinário vampiro. Jenna é humana contudo algo não bate certo com ela e vemos desenvolver certas capacidades ao longo do livro que deixa os elementos da Ordem preocupados. A mulher mostra que tem uma força e uma garra incomuns, tendo sofrido uma dor tão dilacerante ao perder o marido e a filha enfrenta a sua nova vida destemida e é juntamente com Elise uma das minhas personagens femininas preferidas. Aliás as companheiras da Raça têm se mostrado incansáveis na sua ajuda aos machos que amam, mostrando que fazem mais aguardar a sua chegada a casa. Os esforços combinados de todas é crucial para a ação e é bom ver nestes livros onde os vampiros tendem a ficar em primeiro plano que a autora deu um destaque importantíssimo a estas mulheres. A sua união e sentido de familia fazem brilhar ainda mais as suas personalidades já de si radiosas.

Quanto a Brock, claro que é todas as coisas boas que já sabemos e também tem a sua dose de perda e sofrimento, também mal seria com todos os anos que tem que nunca lhe tivesse acontecido uma desgraça. É super-protetor e carinhoso assim como tem um sentido de lealdade e preserverança excepcional.Quando o passado emerge, compreendemos a dimensão dos seus "fantasmas" e a força do seu caracter.

Com uma narrativa rápida como de resto estamos acostumados, temos um pouco de tudo, romance, erotismo, acção, suspense, Lara Adrian sabe-nos transportar para os acontecimentos com uma mestria invulgar deixando-nos a ansiar por mais um livro. Tive apenas uma desilusão no final mas a culpa é inteiramente minha, é o meu lado curioso que me deixou triste por ainda não ter uma resposta à questão mais premente do livro. Se recomendo? Claro, afinal é Lara Adrian, quem consegue resistir? Eu não...

Sem comentários:

Enviar um comentário