Crónicas de uma Leitora: Tigana - Guy Gavriel Kay [Opinião]

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Tigana - Guy Gavriel Kay [Opinião]


Sinopse

Tigana é uma obra rara e encantadora onde mito e magia se tornam reais e entram nas nossas vidas. Esta é a história de uma nação oprimida que luta para ser livre depois de cair nas mãos de conquistadores implacáveis. É a história de um povo tão amaldiçoado pelas negras feitiçarias do rei Brandin que o próprio nome da sua bela terra não pode ser lembrado ou pronunciado. Mas anos após a devastação da sua capital, um pequeno grupo de sobreviventes, liderado pelo príncipe Alessan, inicia uma cruzada perigosa para destronar os reis despóticos que governam a Península da Palma, numa tentativa recuperar um nome banido: Tigana. Num mundo ricamente detalhado, onde impera a violência das paixões, este épico sublime sobre um povo determinado em alcançar os seus sonhos mudou para sempre as fronteiras da fantasia.
 
 

Christopher Tolkien precisava de um assistente que o ajudasse a editar o trabalho que o seu pai tinha deixado. Através de amizades conheceu Guy Gavriel Kay, que era estudante de Filosofia, este durante a edição do livro O Silmarillion aprendeu muito sobre a escrita e a edição, e apaixonou-se pelo mundo da fantasia que o levou a escrever ficção após terminar os seus estudos.

Depois de me ter apaixonado pela escrita de Kay em Os Leões de Al-Rassan, fiquei contente por finalmente ver o famoso Tigana publicado em português. A Lâmina na Alma é a sua primeira parte.

E neste primeiro volume é nos apresentada o mundo com vários territórios que estão divididos por dois grandes poderes tiranos, A Península de Palma. Brandin, que controla as províncias do ocidente e Alberico as orientais.No entanto temos Tigana, conhecida como Baixa Corte, que tentou resistir às invasões de Brandin e numa batalha o herdeiro de Brandim foi assassinado. Como vingança todos os Tiganos foram amaldiçoados.

Anos depois, um grupo de sobreviventes, liderado por Alessan, começa uma viagem perigosa para destruir os Reis que governavam a Península da Palma e recuperar Tigana.

O que é fantástico neste livro é a quantidade de culturas, sociedades e crenças que são apresentadas, tal como as suas próprias histórias e as politicas que se vão encontrando ao longo da histórias através das personagens ou das lendas e assim também descobrindo como foi construída a rivalidade entre os grandes tiranos e dos pequenos territórios.

Como já é hábito, todas as personagens são ambíguas, misteriosas e um pouco complexas, que no entanto envolveram-me por desejar compreende-las e conhece-las melhor. Mas todas elas são bem construídas e elaboradas, parecendo reais, e apesar da sua grande variedade, todas elas são importantes para a história.

Tigana é de facto uma obra genial, com uma narrativa envolvente e viciante, penso que o mais difícil no livro foi pousa-lo, e ainda mais esperar pelo próximo volume.

Sem comentários:

Enviar um comentário