Crónicas de uma Leitora: Menina rica, menina pobre de Joanna Rees [Opinião]

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Menina rica, menina pobre de Joanna Rees [Opinião]

 

Sinopse: Thea e Romy são duas lindas bebés cujo futuro é ditado por uma moeda atirada ao ar. Separadas e vendidas na calada da noite, os seus destinos não podiam ser mais diferentes. Thea é enviada para os Estados Unidos, onde a espera uma vida de privilégio e luxo. Romy é internada num violento e degradado orfanato na Alemanha de Leste. Embora vivam em continentes diferentes, os seus caminhos vão cruzar-se ao longo dos anos, sem que nenhuma conheça a identidade da outra. Mas os seus mundos acabarão por colidir um dia. Face a uma tragédia iminente, com tudo o que lhes é mais querido em jogo, elas têm apenas duas opções: destruírem-se mutuamente ou unirem-se, arriscando as próprias vidas, para descobrir a chocante verdade sobre o seu passado. Das vielas decadentes de Londres aos arranha-céus de Nova Iorque, das montanhas geladas da Europa de Leste às exuberantes praias das Caraíbas, duas mulheres unidas pelo poder invisível dos laços de sangue constroem as suas vidas numa luta permanente contra a arbitrariedade do acaso.





Alemanha, ano 1971. Duas meninas, duas irmãs bebés, são vendidas, e naquela hora o destino delas é traçado. Uma delas terá uma vida de luxo e a outra será criada num orfanato com um destino incerto.
A historia avança 8 anos e vamos encontrar Theodora, numa vida com todos os luxos possíveis e imagináveis e com pais que a adoram. Uma "dádiva de Deus" como a mãe gosta de lhe chamar. Mas a mãe de Theo está gravemente doente e quando acaba por falecer, ela vê a que a sua vida idílica transformar-se aos poucos. 3 anos após a morte da mãe, o pai volta a casar, com uma mulher divorciada e com um filho mais velho que ela. A madrasta de inicio parece ser a fada madrinha, depressa se transforma na bruxa má, e junto com o filho tudo fará para a afastar do pai e das empresas. A primeira medida será envia-la para longe, para um colégio. De seguida, tanto mãe, como filho, tudo fazem para convencer o pai de Theo a adoptar Brett legalmente. Estão dados os primeiros passos para o afastamente do pai de Thea, e enquanto Brett não a consegue humilhar de vez não descansa.
Na mesma altura vamos encontrar Romy, que está a ser criada num orfanato na Alemanha, que é quase uma prisão, e que tudo faz para se escapar de lá. Aos longo dos anos ela tem vindo a planear em pormenor a sua fuga. Mas nem tudo corre como o planeado e antes de fugir ela a aba por matar um dos guardas em legitima defesa, para poder defender a amiga que estava a ser violada. Amiga essa que era para ter fugido com ela, mas que ja nao consegue, por ter sido apanhada pelos cães. Para nao ser tambem apanhada Romy acaba por fugir, deixando a amiga para trás. Mas esta fuga dela vai persegui-lá por muito tempo.
A partir daqui nada serra fácil para Romy, com algum dinheiro que conseguiu roubar do orfanato ela consegue comprar documentos falsos, muda de nome para poer escapar aosq seus perseguidores. Comeca a trabalhar numa fabrica, onde comeca a juntar o primeiro dinheiro para poder realizar o seu sonho: chegar a Itália e ver o mar. Mas até que o consegue muita coisa vai ter de aguentar.
Tanto Thea como Romy vão comer do pão que o diabo amassou. Uma de uma maneira em outra doutra, ambas vão sofrer para poderem ser felizes. Ambas vão aprender quem nada é eterno e terão de lutar muito e contar só com elas para poderem ser felizes.
Uma história com um carrossel de emoções. A autora conseguiu, ao longo de todo o livro incutir em mim as mais diversas acções. Tao depressa estava furiosa e capaz de matar determinada personagem, como. No momento seguinte estava de lagrima no olho pela tristeza que senti por outras. Mas tambem fsento alegria em diversas situações. E este é um dos pontos mais positivos que destaco do livro. A facilidade com que a autora nos descreve os sentimentos das personagens e os consegues transmitira através da escrita.
No entanto, e porque nem sempre tudo é bom, tal como o livro nos ensina, acho que este se torna, demasiado longo. Todas as situações nos saoa descritas por capítulos. Nuns temos Theo, noutros Romy. Ha o salto de vários anos entre uns capítulos e outros o que facilita a que a história nao se torne enfadonha. Mas mesmo assim, poderia ser um pouco mais curta. Demasiadas tragédias seguidas, fez com que, eu desse por mim a querer páginas à frente para ver o que aconteceria a seguir.
Mas o balanço final, é sem duvida positivo, e relembra-nos que se nao formos nos a lutar pela vida que queremos, ela nao nos vem parar às mãos. 

1 comentário:

  1. Também gostei muito do livro, mas tanta tragédia estraga um bocado a história...

    ResponderEliminar