Crónicas de uma Leitora: Sedução, de J. D. Robb [Opinião]

sábado, 17 de agosto de 2013

Sedução, de J. D. Robb [Opinião]

  

Sinopse:
A Tenente Eve Dallas está em perseguição de um serial killer que vitimiza jovens mulheres em encontros amorosos virtuais. Assim que o assassino marca um encontro, prepara um cenário de velas acesas, música, pétalas de rosa espalhadas por cima da cama, toda uma sedução planeada para lhe dar prazer a ele, não a ela. A arma do crime: uma rara e invulgarmente indetetável droga de violação e de valor incalculável. Eve revê incessantemente as pistas, mas a inteligência deste psicopata romântico tornam o caso inteiro um pesadelo, num momento em que a detetive se sente vulnerável e fragilizada pelos demónios do passado. Estará o fim da carreira como polícia a aproximar-se para Eve? Ou conseguirá Roarke, o seu marido, resgatar Eve do negrume que a atormenta?



Sedução, cujo titulo apesar de pertencer á Saga Mortal (In death), foi o 1º livro editado em Portuga l sem essa ligação (no original Seduction in death) numa aposta da Saída de emergência que no meu ponto de vista não faz sentido para quem segue a saga, tem uma capa linda, rosa/lilás suave com uma bela jovem, que só por si chama a atenção de qualquer um.
Os livros da Saga Mortal são do género policial, com muitas tiradas de humor à mistura, e as cenas que envolvem Eve e Roarke estão impregnadas de uma carga erótica elevada. Este é o 13º livro da Saga Policial da Nora Roberts escrita com o pseudónimo J. D. Robb, e nesta saga, vivemos num mundo futurista em que os carros voam, as armas foram banidas (quem tem armas são de coleção e têm que estar registadas) e o mundo como conhecemos já não é o mesmo. Estes livros lêem-se bem independentemente, não sendo necessário a leitura dos anteriores, no entanto aconselho vivamente pela história e familiaridade entre as personagens e porque pela sua história em si, valem a pena. 
Adoro esta saga e em Sedução, Eve é chamada a uma cena em que um corpo caiu de um edifício de uma altura elevada, e descobre que a jovem mulher tinha tido um encontro, terá sido coincidência? Com o avançar da história, Eve dá por si a perseguir um assassino implacável que escolhe jovem mulheres e as seduz (drogando-as) num ritual que gira em torno da sua vontade do seu prazer. É um assassino sagaz e frio, e Eve tem a todo o custo que o impedir de continuar o jogo que iniciou…
Ao longo da história, Eve demonstra a sua força e lealdade para com os mortos, tendo em Roarke o seu único porto de abrigo, companheiro e mais importante salvador. Roarke, que acabou de enterrar um amigo na Irlanda, vem esgotado, cansado, precisa de Eve para recuperar, deparando-se com uma mulher fraca perseguida pelo passado. Mais uma vez lutam para fortalecer o seu amor.
Delia e Ian, protagonizam neste livro algumas das passagens mais divertidas, sendo que o seu amor começa a tomar forma, rivalizando um pouco com o casal central.
J D Robb, conseguiu nesta saga e neste livro, criar um enredo de suspense, num universo paralelo ao nosso em que nos deixa viciados na leitura, preparem-se para se sentirem a criança assustada e violada quando Eve recorda o passado, para se deslumbrarem com Roarke, com a sua dor e com o seu amor, cobiçando um homem como aquele, apaixonado, lindo, perfeito e multimilionário para o nosso lado, a vontade de apanhar o assassino, que ao longo do lvro vai desabafando e dando a conhecer o seu lado imaturo e cruel… Só tenho a dizer que adorei! 5 estrelas em 5.

Sem comentários:

Enviar um comentário