Crónicas de uma Leitora: "Nunca digas Adeus" de Lesley Pearse - opinião

domingo, 28 de julho de 2013

"Nunca digas Adeus" de Lesley Pearse - opinião



Sinopse

Num chuvoso dia de outono, Susan Wright entrou numa clínica, matou duas pessoas a sangue-frio e aguardou que a polícia chegasse. Terá sido um ato de loucura? Uma vingança planeada? Susan não parece interessada em defender-se e recusa falar. O seu silêncio estende-se a Beth Powell, a advogada a quem é atribuído o caso. Beth é uma mulher de sucesso com uma carreira brilhante mas nada a preparara para o momento em que identifica a autora daquele crime tão bárbaro. Quando eram crianças, Beth e Susan juraram ser amigas para sempre. Vinte e nove anos depois, mal se reconhecem. Mas as memórias dos verões felizes das suas infâncias são suficientemente poderosas para as unir de novo. Enquanto as provas contra Susan se acumulam, elas partilham recordações e revelam os segredos que ditaram o rumo das suas vidas.
A amizade entre as duas mulheres torna-se cada vez mais forte mas sobre uma delas pende a implacável mão do destino…


Opinião de Carla

Ora que dizer de um livro que me deixou sem fôlego? Simplesmente isso. Pelo inesperado do fim, pela montanha russa de emoções, pelas situações narradas. Uma tropelia entre incredulidade, tristeza e compaixão.

Beth, Susan, Steven e Roy. São estes os 4 personagens principais. Cada um deles com um passado, uma história de vida que nos comove ao longo do livro.

Beth e Susan, conhecem-se aos 10 anos, na ferias de verão e vão passar mais 5 verões juntas. Vivendo em cidades distantes, só nas ferias lhes era possível estarem juntas. No restante tempo era por carta que se correspondiam. Mas no verão em que ambas fariam os 16 anos, o contato perde-se sem nenhuma delas saber a verdadeira razão.

Passados quase 30 anos elas voltam a encontrar-se nas piores circunstancias possíveis: Susan foi presa por homicídio e Beth é destacada pelo MP para sua advogada. Mas as coisas não correm como elas gostariam e Beth é dispensada como advogada e entra Steven em cena, colega de escritório dela. Será ele a conseguir que Susan comece a desvendar os verdadeiros motivos que levaram Susan a matar 2 pessoas numa clínica à frente de toda a gente.

Roy, é o policia encarregue de investigar ao cenário por detrás de tão macabra tragédia. Junto com o advogado vão descobrir coisas que eles estariam longe de imaginar.

Qualquer destes personagens lidou ou ainda lida com situações reais aquelas que todos desejamos fugir. Tanto Beth como Susan, embora em situações diferentes, lidaram com pais tiranos que lhes privaram da infância.

Steven, lida com uma mulher alcoólica, e vai ser através de Susan que conseguirá tomar uma posição.

Roy, divorciado e tendo perdido um filho pequeno, tem-se aguentado à tona de água devido à profissão dele. Ao conhecer Beth, aos poucos vai descobrindo que afinal ainda é possível ser feliz, mesmo tendo de lidar com o passado dela e que a deixou inacessível a todos os homens.

No entanto é Susan que mais nos surpreende. Baixa, roliça, bonita mas não atraente, teve uma vida nada fácil, no entanto mantendo sempre o espirito vivo, e sempre compreensiva com o próximo. Os segredos que esconde são o que a mantém viva, mesmo na prisão. Olhando para ela, ninguém a diria capaz do que fez.

Um relato cheio de emoções e sentimentos. A realidade de violência domestica, a escravatura infantil, violação, alcoolismo. Embora possa, de inicio parecer muita coisa para um só livro, acreditem que faz todo o sentido quando cada uma das personagens nos é apresentada individualmente. Cada um deles tem os seus traumas, os seus medos, os que os torna mais humanos, e não uns super heróis. Ao contrário de muitos outros romances, as personagens não são perfeitas, não têm uma vida idílica, estereotipados. Pelo contrário, conseguimos encontrar neles, um pouco de nós.

Todo o livro é uma lição de vida, e faz-nos recordar que por muito que pensemos conhecer as pessoas com quem convivemos, não sabemos as tragédias ou traumas que os seus sorrisos escondem.

Escrito de uma forma muito realista, acessível e comovente é um livro que acima de tudo nos faz pensar que "nenhum de nós sabe aquilo que verdadeiramente é capaz até passar por um momento de medo e raiva interior".

2 comentários:

  1. Nunca li nada desta autora, talvez seja um bom ponto de partida ;)

    ResponderEliminar
  2. Adorei o livro e adoro a autora! Super recomendo!

    Beijinhos,
    https://verdadequeridablog.wordpress.com/

    ResponderEliminar