Crónicas de uma Leitora: As Mulheres Casadas não Falam de Amor, de Melanie Gideon [Opinião]

terça-feira, 11 de junho de 2013

As Mulheres Casadas não Falam de Amor, de Melanie Gideon [Opinião]



Para mais informações sobre o livro As Mulheres Casadas não Falam de Amor, clique aqui



Sinopse

Alice está casada com William há vinte anos. Recorda-se, como se fosse ontem, do dia em que o conheceu. No entanto, ultimamente, é ao Facebook, e não ao marido, que confia os seus pensamentos mais íntimos.

Um dia, recebe um questionário anónimo sobre amor e casamento da parte de um Investigador 101. Decide responder, sob o pseudónimo Mulher 22, sem imaginar que isso mudará a sua vida.

Confissão após confissão, Alice sente-se cada vez mais livre e também mais apaixonada pelo Investigador 101, genuinamente interessado nos seus sentimentos como há muito ninguém estava. Alice não tarda a ver-se confrontada com uma decisão potencialmente devastadora: cessar toda a comunicação com o Investigador 101 para salvar o casamento ou admitir que o coração lhe levou a melhor e está novamente apaixonada.

Com uma voz fresca, comovente e divertida, As Mulheres Casadas Não Falam de Amor é a história de uma mulher que, tentando reencontrar-se, corre o risco de descobrir que, afinal, quer estar onde sempre esteve.


Opinião de Cláudia Lé

Inicia em lume brando e termina magistralmente!

Este é um daqueles livros que nos surpreendem, sem sombra de dúvida. Fresco, refrescante, faz-nos acreditar que o Amor é realmente essencial na nossa vida e, muitas vezes, acabamos por o encontrar onde menos o esperamos...

Alice casada com William há vinte anos acabou por cair na rotina que a maioria dos casamentos caem após diversos anos em comum. Aquando responde a um questionário anónimo acerca do amar e do casamento, acaba confrontada com essa mesma monotonia da qual ela é peça central... não é uma vitima exclusiva uma vez que tanto ela como o marido acabaram por condicionar a forma como vivem hoje em dia a sua relação. Este é um retrato vívido do que se passa num casamento, quando não o mantemos saudável, simplesmente porque não temos disponibilidade para... são os filhos, é a carreira, são os momentos que desejamos estar sós (no facebook) e o companheiro vai ficando cada vez mais para o final da lista.

Com o questionário acabamos por conhecer a história de amor de Alice e William, que à primeira vista terio tudo para dar certo e afinal, por que motivo não estava a correr como antes? Alice questiona-se mas transfere grande parte dos problemas que foram surgindo para o marido, ele é a causa ela a vitima, simplesmente é mais fácil não confrontarmos os nossos próprios erros.

Segundo Freud, durante o período de terapia poderá ocorrer o processo de transferência, quando a paciente apaixona-se ou pensa apaixonar-se pelo terapeuta. Em vez de confrontar os problemas que vão surgindo e tentar encontrar uma solução, a paciente arranja um problema «maior». Claro está, Alice apaixona-se pelo Investigador 101, é mais fácil começar do zero do que assumir sua culpa e tentar fazer com que o casamento volte a ter aquela chama, aquele carinho, aquela cumplicidade que a unia ao marido e que durante a trama, acaba por estabelecer com o Investigador 101 de forma anonima!

Hoje em dia acho que somos confrontados com este conflito vezes demais e o presente livro é uma espetacular lição de vida! Adorei, a dada altura estava de tal forma envolvida na sua leitura e a fazer figas para que Alice e o marido olhassem para o que estava realmente à sua frente, para escutarem/ouvirem o que realmente um queria dizer ao outro, que devorei literalmente as últimas 200 páginas. É realmente um livro bastante extenso que, à primeira vista, poderá desmotivar o leitor mas, tenho sérias dúvidas que quem o inicie, consiga parar sem saber por quem realmente Alice opta!

Adorei, espero vir a ler comentários de outros leitores!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário