Crónicas de uma Leitora: Vertigem de Paixão, de Elizabeth Hoyt [Opinião]

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Vertigem de Paixão, de Elizabeth Hoyt [Opinião]

Sinopse:

Durante anos, Melisande Fleming amou Lorde Vale de longe... vendo-o seduzir uma sucessão de amantes e, uma vez, entrevendo a intensidade de sentimentos sob o seu exterior despreocupado. Quando ele é abandonado no dia do casamento, ela enche-se de coragem e oferece-se para ser sua mulher. Vale tem todo o gosto em desposar Melisande, nem que seja apenas para produzir um herdeiro. Porém, tem uma agradável surpresa: uma dama tímida e recatada durante o dia, ela é uma libertina durante a noite, entregando-lhe o seu corpo... mas não o seu coração. Decidido a descobrir os segredos de Melisande, Vale começa a cortejar a sua sedutora mulher - enquanto esconde os pesadelos dos seus dias de soldado nas Colónia que ainda o atormentam. No entanto, quando uma mortífera traição do passado ameaça separá-los, Lorde Vale tem de expor a sua alma à mulher com quem casou... ou arriscar-se a perdê-la para sempre.

Opinião por Vera Carregueira:

Logo depois de acabar O Sabor da Tentação peguei logo neste livro com aquela urgência própria de quem precisa de saber o que acontece a seguir. As personagens principais Melisande Fleming e Jasper Renshaw são protagonistas atípicos, nenhum é extraordinariamente belo, Melisande não é muito sociável e Jasper está marcado pelo horror da guerra contudo a sua história é fantástica.

Melisande é a melhor amiga de Lady Emeline a antiga noiva de Lorde Vale, quando esta casa com Samuel Hartley e parte com ele para a América pede a Melisande que cuide dele, provavelmente sem saber o quanto esta o ama. Assim quando pela segunda vez em seis meses Jasper é abandonado no altar, ganha coragem e propõe casamento a Vale mas sem nunca assumir que o tem amado ao longe. Para a época era algo de uma grande ousadia e coragem e apesar dos seus modos recatados vamos vendo demonstrações de uma personalidade forte e decidida.

Jasper Renshaw, lorde Vale é um homem sociável, gosta de sair, conviver, tem uma personalidade expansiva e está sempre a rir e a fazer rir. Contudo tem uma faceta que poucos percebem e que Melisande desvendou ao longo dos anos que o observou, marcado pelo que viu na batalha de Spinners Fall o que lhe deixou profundas cicatrizes psicológicas. Depois de se reencontrar com Samuel Hartley e saber que o seu regimento foi traído entra numa busca desenfreada pela verdade não conseguindo parar sem saber a verdade. Ao mesmo tempo sente-se intrigado pela sua esposa e decide cortejá-la, conhecê-la a fundo e amá-la mas sem nunca revelar os seus segredos mais obscuros.

Este livro à semelhança do primeiro desta série (Lenda dos Quatro Soldados) tem uma história de amor paralela desta feita entre a criada particular de Melisande e o criado de Vale. Também o início de cada capítulo temos novamente uma parte de um conto de fadas neste caso é Laughing Jack. Este conto está no livro que Emeline deu a Melisande para esta traduzir. O mesmo que passará para as mãos de uma outra mulher para esta poder passar a limpo e encadernar. Mas essa é com certeza parte do enredo do terceiro livro. Algo que os mais atentos conseguirão perceber com o desenrolar da história.

Mais uma vez Elizabeth Hoyt mostra a espectacularidade da sua escrita, a envolvência das suas palavras, a capacidade de nos prender do inicio ao fim. Bebi todas as palavras como se fosse alguém sedento no deserto. Havia aquela necessidade física de pegar no livro mesmo que fosse para ler só mais uma página. A autora subiu vertiginosamente para um dos lugares cimeiros das minhas preferências em romances de época e vou ler certamente mais livros dela.

Sem comentários:

Enviar um comentário