Crónicas de uma Leitora: Objectos Cortantes de Gillian Flynn [Opinião]

terça-feira, 9 de abril de 2013

Objectos Cortantes de Gillian Flynn [Opinião]


Objectos Cortantes
de Gillian Flynn
Edição/reimpressão: 2007
Páginas: 256
Editor: Gótica
ISBN: 9789727922048
Coleção: Nocturnos


Sinopse

As palavras são como um mapa de estradas para o passado perturbado da jornalista Camille Preaker. Acabada de vir de uma estadia breve num hospital psiquiátrico, o primeiro artigo que o jornal de segunda categoria onde Camille trabalha lhe atribui leva-a relutantemente de volta à sua cidade natal para cobrir o assassinato de duas pré-adolescentes.

Desde que saiu da cidade há doze anos, Camille raramente falou com a sua neurótica e hipocondríaca mãe, nem com a meia-irmã que mal conhece: uma bela rapariga de treze anos que exerce uma misteriosa influência sobre a cidade. Agora, instalada de novo na mansão vitoriana da família, Camille é assombrada pela tragédia de infância que passou toda a vida a tentar amputar da memória.

Enquanto Camille se esforça por revelar a verdade sobre estes crimes violentos, começa a sentir-se identificada com as vítimas - talvez um pouco demasiado. As pistas conduzem-na constantemente a lado nenhum, forçando Camille a desvendar o quebra-cabeças psicológico do seu passado para chegar ao cerne da história. Acossada pelos seus próprios demónios, Camille terá de confrontar o que lhe aconteceu há anos atrás se quiser sobreviver a este regresso a casa.
 

Opinião:

Iniciei este livro com grandes expetativas, uma vez que se encontrava na minha wishlist à uns 2 ou 3 anos e finalmente o consegui. A sinopse deixava-me dar largas à minha imaginação, no entanto...
Não me recordo quem o disse, relativamente a outro livro, mas há livros que nos seduzem pelo enredo, independentemente da forma como são escritos, e há livros que o enredo propriamente não nos diz muito mas o autor tem uma escrita facilitadora de nos levar a ler apenas a próxima página e a próxima e a dada altura estamos na reta final de um livro.
Neste caso achei a sinopse bastante apelativa mas, desde o início, a escrita da autora soube-se a... insonso, tal como um prato maravilhoso que nos colocam à frente mas de sabor é inexistente!

Achei a escrita bastante depressiva, talvez devido à narrativa ser transmitida numa primeira pessoa, pessoa esta com transtornos psicológicos. Não consegui de forma alguma sentir empatia por Camille nem por Amma, a única personagem que me provocou sentimentos fortes (bastante negativos eu sei, mas pelo menos uma reação à sua presença), foi Adora! Relativamente à relação inexistente entre as duas irmãs era de se esperar, no entanto quando Camille decide acompanhar a irmã acabando a mais nova por «dar a volta» à mais velha... senti-me estarrecida. Quem leu o livro percebe onde quero chegar, Camille e Amma têm a mesma diferença de idades que eu tenho da minha irmã mais nova e nunca, em caso algum, deixaria a mina irmã manipular-me da forma como Amma manipula Camille. Como jornalista e como adulta na relação irmã mais velha/irmã mais nova, Camille deveria ser uma pessoa com mais garra, afirmando-se perante terceiros mas em toda a história, esta mantém um papel apagado, sumido, facilmente manipulado. Não existe uma única personagem feminina sã: Camille insegura e carente de afeto materno, Amma sedutora e manipulativa, Adora também ela manipulativa e malévola.

Relativamente ao desfecho, talvez por a minha área de formação ser psicologia, não me surpreendeu, já esperava isso de Adora, relativamente a Amma... com uma mãe tão presente como Adora, seria de se esperar certo? A falta de amor de Adora no caso de Camille e o excesso de amor no caso de Amma deu origem a duas personagens extremamente inseguras! Resta-nos imaginar se Marion, a irmã do meio que falecera em criança, também se tornaria numa adulta com uma auto-estima tão baixa e outros problemas mais graves!

Um ponto bastante positivo foi o reencontro de Camille com a enfermeira que cuidou de Marion, gostei muito do desfecho, bastante verídico para a época e infelizmente, talvez ainda se reporte aos dias de hoje perante outras situações se não as mesmas!

No final de Camille não cresceu, não se tornou mulher, não me deixou saudades!

1 comentário:

  1. Qro muito esse livro, mas não achei pra venda ou download. Vse pode me ajudar?

    ResponderEliminar