Crónicas de uma Leitora: Entrevista internacional - Elizabeth Hoyt

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Entrevista internacional - Elizabeth Hoyt


Com o primeiro aniversário do blog mais perto sucedem-se as entrevistas a autoras internacionais. Elizabeth Hoyt não só nos concedeu uma entrevista como enviou livros autografados para sortear. Aqui fica a entrevista:


O que nos pode contar sobre o seu novo livro publicado em Fevereiro "Lord of Darkness"?

 No último livro de Maiden Lane, Thief of Shadows, O Amante de Lady Margaret foi assassinado e, pouco depois, ainda em choque Megs descobriu que estava grávida. Felizmente, tem um irmão determinado que a adora e que chantageia Godric St. John, um viúvo solitário, a casar-se com ela.Passam dois anos. Megs perdeu o bebé logo após o casamento e desde então tem vivido separadamente de Godric. No inicio de "Lord of Darkness", Megs vai a Londres para duas coisas. Primeiro, para matar o Ghost of St. Giles, que acredita ser o assassino do seu amante e em segundo lugar para seduzir o marido a fim de ter um bebé. O que Megs não sabe é que Godric é o Ghost of St. Giles. Enquanto isso, Megs virou a vida solitária Godric de cabeça para baixo e ele não consegue descobrir como fazer com que ela se vá embora -ou se realmente quer que ela vá.Este livro, na sua essência, é sobre o amor inesperado e como ele pode curar as cicatrizes do passado.


Todos os seus livros são passados no século XVIII na Inglaterra. Por que escolheu este período histórico?

 É uma época fascinante. Londres era a maior cidade da Europa e ainda estava a crescer com pessoas que vinham não só do interior da Grã-Bretanha, mas também de todo o mundo. Havia uma enorme dicotomia entre os muito ricos e os muito pobres. E os homens aristocratas usavam seda, perucas, e espadas. O que há para não amar? ;-)



Como é o seu processo de escrita? Tem uma rotina rigorosa?
 Eu não estou tão disciplinada como eu deveria estar. Costumo escrever na parte da manhã e início da tarde, às vezes em casa, às vezes, num café com um amigo.


Como uma criança que viajou muito, acha que ajuda a criatividade e a imaginação quando escreve?

 Eu acho que a criatividade e imaginação vem de mim. O que as viagens fizeram foi mostrar que havia outras maneiras de olhar o mundo do que a que eu conhecia na América. Há uma grande diferença nas realidades e formas de pensar no mundo e eu acredito firmemente que o pensamento cria a pessoa.



Na sua biografia diz que levou 5 anos para vender o seu primeiro romance. Quão complicado foi todo o processo de ser publicado?

 Há uma grande espera no meu negócio. Não é muito complicado publicar, tudo que é preciso é de um editor com o poder de compra que goste do manuscrito. Mas para chegar a esse ponto pode ser um pouco complicado. Primeiro tive que aprender a escrever um livro, que levou cerca de três anos,depois arranjar  um agente, que levou cerca de seis meses. Ela comprou o manuscrito um ano antes de sermos capazes de encontrar uma editora que foi, na altura, a Warner Books. Assim que consegui essa editora a minha agente ficou muito entusiasmada e comprou todos os três da série Prince antes do primeiro livro sair. Eu estou com a mesma editora desde então - agora chamam-se Hachette- mas eu estou na minha terceira publicista, Amy Pierpont e ela é fantástica.


Agora tem livros publicados em todo o mundo como é que se sente?
 É muito divertido! Recebo alguns dos livros que foram traduzidos e é interessante ver como o mesmo livro é comercializado em diferentes partes do mundo. Eu amo receber e-mail e correio de leitores do exterior é o melhor. ;-)


Sentiu-se
afectada pela queda da economia mundial?
 Surpreendentemente, não. Apesar de publicar ter passado a ser bastante dificil, mas até agora as vendas dos meus livros estão muito bem. Eu fico muito grata, porque eu tenho amigos escritores que lutam diariamente.

O que pode dizer a alguém que quer escrever um livro? Pode dar alguma dicas?Eu acho que é muito importante para escrever, tanto quanto possível. A escrita é uma das poucas profissões que uma pessoa aprende a fazer. Pode ler todos os livros sobre a escrita, fazer todos os workshops ou aulas. mas para aprender a escrever tem que sentar e fazer.

"To seduce a sinner" está prestes a ser publicado em Portugal, o que podemos esperar a dele?
 
Este é realmente um dos meus livros favoritos, talvez porque ele foi um dos mais difíceis de escrever. Jasper é um herói
interessante pois ele é um pouco "palhaço". Ele é alto e gosta de ser o centro das atenções e ele não mostra nunca o que está dentro dele. A heroína, Melisande, é tímida e socialmente desajeitada e muito contida. Ela está apaixonada por Jasper há anos, apesar dele não saber o nome dela. Quando a oportunidade se apresenta ela salta para um casamento arranjado com ele e, a princípio ela pensa que é a resposta a todos os seus desejos mais profundos. Mas não é claro. Ela pode ter o corpo de Jasper, mas ela não tem a sua mente ou alma. A fim de tornar o seu casamento verdadeiro, Melisande decide que precisa para seduzir seu marido para descobrir o homem que ele é.

Muito obrigada por me convidarem para o blog!

Sem comentários:

Enviar um comentário