Crónicas de uma Leitora: [Opinião] Uma História Por Contar de Monica Ali

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

[Opinião] Uma História Por Contar de Monica Ali



Uma História Por Contar
Edição/reimpressão: 2013
Páginas: 296
ISBN: 9789722524698


Sinopse

Quando a princesa Diana morreu em Paris, tinha trinta e sete anos. Se tivesse sobrevivido, faria cinquenta anos no dia 1 de julho de 2011. Quem seria ela agora se estivesse viva? O que faria? E onde? Monica Ali, uma das escritoras mais versáteis e ousadas do nosso tempo, imaginou um destino diferente para Diana no seu novo livro.
Uma década após o acidente de Paris, uma mulher britânica chamada Lydia vive numa pequena vila norte-americana. Tem um círculo de amigas: uma tem uma loja de vestidos, outra é agente imobiliária, outra é uma mãe doméstica. Lydia é voluntária num abrigo de animais e gosta de nadar. O namorado, que a adora, sente que ela não se dá a conhecer. Quem é ela?
Uma História por Contar fala dos custos da fama, do sentido da identidade e da possibilidade (ou impossibilidade) de se reinventar uma vida. A princesa ficcional de Monica Ali é bonita, intrépida e engenhosa e conseguiu para si própria uma paz frágil. Mas depois o passado ameaça destruir a sua nova vida.

Opinião:

Ler este livro fez-me recordar a altura em que lia as revistas como a Nova Gente ou a Lux, cada vez que saía uma notícia acerca da princesa Diana. Somos por natureza um pouco «cuscas» no que diz respeito a estas vidas glamorosas, apesar do reverso da medalha ser tão angustiante que na minha opinião, não trocaria a minha vida e o meu precioso anonimato por nenhuma coroa, tiara ou conta recheada!
A protagonista deste romance, Lydia, é o reverso da medalha de Diana. No livro, tanto Diana como Lydia são descritas de forma totalmente diferentes apesar de serem ambas a mesma pessoa.
Ao longo do livro, Diana é caraterizada como uma pessoa frágil, manipuladora, depressiva e dependente, dependente de seus amantes, bem como da relação com a comunicação social; esta tornou-se numa relação de amor-ódio, existindo a necessidade compulsiva de protagonismo mas também uma tentativa constante para se afastar dos flashes dos paparazzos.
A história de Diana vai mais além do acidente em Paris, no qual neste romance a princesa sobrevive mas vive aterrorizada com o fato de algo ou alguém ter o intuito de a matar. É nesse sentido que, com a ajuda de um seu amigo/empregado, planeia a sua morte de forma a poder renascer, qual Fénix, mas para poder finalmente viver a vida que sempre desejou (ou não), longe das luzes da ribalta, longe do controle da Casa Real!
Após o desaparecimento/morte de Diana, surge aos poucos, Lydia. A personalidade de Lydia vai-se moldando ao longo dos anos e no decorrer do livro podemos ver que esta foi crescendo e adaptando-se à sua nova vida. Lydia é uma mulher independente, trabalhadora e bastante recatada. Acima de tudo Lydia deseja proteger a sua privacidade de todos os que a rodeiam, vivnedo angustiada com o seu afastamento dos filhos.
Durante a leitura, dei-me conta que nenhuma das amigas e namorado de Lydia, desconfiam da sua verdadeira identidade. A vida de Lydia poderia decorrer na monotonia que somos confrontados ao início do livro, não parasse por Kensington (vila onde Lydia reside, irónico não?), um antigo foto-jornalista que conhecia Diana desde os seus tempos de noivado com o príncipe Carlos. Apesar da cirurgia plástica que foi submetida, Lydia continua com os belíssimos olhos azuis de Diana. Aqui o destino torna-se irónico, tal como diz o ditado; os olhos são o espelho da alma, acabam por ser esses mesmos olhos, a trair Lydia!

Sem comentários:

Enviar um comentário