Crónicas de uma Leitora: Um grito de ajuda de Steve Mosby - Opinião

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Um grito de ajuda de Steve Mosby - Opinião


Autor: Steve Mosby
Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 272
Editor: Europa-América
Coleção: Crime Perfeito

Sinopse:
Quando viu os seus amigos pela última vez? 
Dave Lewis é um homem assombrado pelo seu passado. Entre a morte do irmão, o desgosto dos pais e o afastamento de Tori, a sua ex-namorada, Dave tenta convencer-se de que não tem contas a ajustar com o seu passado. 
Quando um assassino persegue várias mulheres, as rapta e se faz passar por elas, enviando mensagens e e-mails a familiares e amigos das vítimas, Dave Lewis é o principal suspeito depois de Tori aparecer morta. Mas Sam Currie, o agente responsável, parece acreditar na sua inocência. Resta-lhes descobrir o perigoso assassino e o que fariam para salvar os seus entes queridos.

Opinião:
Mais um livro carregado de emoção e ansiedade que nos prende desde o inicio. Com personagens forte e marcantes Um grito de ajuda é sem dúvida uma obra de mestre, como não me canso de chamar Steve Mosby. Pormenores desinteressantes e factos adquiridos são totalmente transformados às suas talentosas mãos. A ansiedade de apanhar o assassino é crescente, uma espiral de sentimentos que culmina com a reviravolta final que nos deixa mais uma vez embasbacados.
Desta feita temos um assassino frio, cruel, doentio. Deixa as suas vítimas amarradas à cama para ali morrerem entrando em contacto com a família como se fosse a pessoa que está a deixar à morte de maneira a que ninguém se aperceba o que está a acontecer. Mais uma temática actual e que nos deixa a pensar! Até que ponto a nossa rede de amigos e a nossa família está próxima de nós o suficiente para saber quando estamos em perigo, para perceber quando não somos nós a responder quando nos contactam. De novo vemos a componente psicológica em grande foco como já vem sendo hábito nos seus livros.
Como vem sendo hábito nas suas obras além do tema central somos da obra somos confrontados com outros em menor plano mas igualmente importantes. Violência contra menores, violência doméstica, corrupção policial e a polaridade de uma das personagens e no seu internamento. Mosby dá-nos vários núcleos disfuncionais que nos prende desde o inicio.
A ação passa-se mais uma vez em dois tempos distintos, de um lado vemos Dave como narrador participante pelo outro temos um narrador-omnisciente quando se trata de Sam Currie o detetive da policia. A vida de ambos cruzam-se mais que uma vez sendo que vamos tirando as nossas ilações e construindo as nossas conclusões que mais uma vez nos mostram que estamos errados e não conseguiriamos chegar nunca à verdade.
Um livro de nos tirar o fôlego que aconselho a todos, não só amantes de policiais mas a todos os amantes da leitura. Um livro forte, realmente marcante!

Sem comentários:

Enviar um comentário