Crónicas de uma Leitora: Novidade Quetzal - A Herança Perdida

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Novidade Quetzal - A Herança Perdida



Obra: A Herança Perdida
Autor: James Wood
Editora: Quetzal
Género: Ensaio
Tradutor: Bruno Vieira Amaral
N.º de páginas: 392
Data de lançamento: 14 de setembro
PVP: 19,90 €

“É o excesso, a tendência para a polémica que torna a leitura tão estimulante” 
William H. Pritchard, The New York Times
“Wood pode ser severo, mas raramente é injusto.”
Morten Høi Jensen, The Quarterly Conversation

A Herança Perdida reúne ensaios que o crítico James Wood foi publicando ao longo de vários anos em publicações tão prestigiadas como a  New Republic ou a  London Review of Books. De Herman Melville a Philip Roth, de Virginia Woolf a Don DeLillo, Wood analisa as formas como nestes escritores a literatura funciona como uma espécie de religião. Regista igualmente o percurso inverso  – a transformação da religião num género literário – levado a cabo por autores do século XIX como Matthew Arnold e Ernest Renan. A distinção entre a realidade e o realismo, os polémicos ensaios sobre George Steiner, John Updike e Julian Barnes, a profunda empatia da escrita que permite novas leituras de escritores consagrados são motivos suficientes para se aceder ao universo de James Wood.

James Wood conseguiu transformar a crítica literária num assunto pop sem ceder em nada à facilidade. Conseguiu contrariar a hostilidade do mundo jornalístico aos seus textos, inicialmente considerados  «muito académicos» e, ao mesmo tempo, fazer com que as revistas Time e New Yorker cobiçassem os seus ensaios. Mas Wood não trata apenas dos autores clássicos; a atenção aos autores novos, e não apenas os 
que escrevem em inglês, fez dele um autor venerado em todo o mundo e muito estudado nas universidades.
James Wood nasceu em 1965, em Durham, na Inglaterra, onde o seu pai era professor de zoologia na universidade local. Estudou em Eton, onde recebeu uma bolsa de estudos de música, e depois em Cambridge. Em 1990, foi o vencedor do Young Journalist of the Year Award. De 1992 a 1995, foi o principal crítico literário do Guardian e, em 1995, tornou-se editor sénior da revista  The New Republic, nos 
Estados Unidos. A partir de 2007 as suas críticas e ensaios têm aparecido com frequência no New York Times, The New Yorker, The New York Review of Books, e na  London Review of Books, onde é membro do conselho editorial.

Sem comentários:

Enviar um comentário